Causo Mineiro

O caboquim cordô cêdo, ispriguíçô, lavô as mão na gamela, limpô uzói, sinxugô, tomô café,
pegô a inxada, sivirô pra muié i falô:
- Muiééé, tô inoprotrabaio.
Quano q´êle saiu da casa, ao invêiz dií prá roça, ele subiu num pé di manga i ficô iscundidim.
De repente pareceu um negão, e foi inté upé di manga i nem si percebeu q´o caboquim tava lá inrriba.
Pegô u´a manga… chupô, pegôta, i mais ôta… A muié du caboquim chegô na janela e gritô:
- Póvim, ele já foi!
I o negão largô as manga i sinfurnô dendacasa du caboquim.
O caboquim, danado de raiva, desceu da árvre, pegô um facão e intrô na casa.
Quandele abriu a porta ele viu o negão chupano as teta da muié, intonsi levantô u facão e falô:
- Vai morrêêêêê negão!
E num é cunegão puxô um 38 da cintura, i pontô pro caboquim falano:
- Por que eu vou morrer?
E o cabuquim:
- Uai cê chupô trêis manga e agora tá mamando leite. Manga cum leite faiz mar, uai!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


6 + = catorze

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>