CD CASA DA NONA

cd casa da nonaO locutor Robson Magela lançou mais um CD do seu programa Casa da Nona, que ele apresenta de segunda a sexta-feira na Rádio Cidade 94,5 FM. O CD tem 14 faixas em que Robson divide os vocais com diversos artistas araxaenses. Cada exemplar do CD está sendo trocado por dois quilos de alimentos não perecíveis, exceto sal e fubá. Os alimentos arrecadados serão doados para o Serviço de Obras Sociais (SOS) de Araxá, que atualmente enfrenta dificuldades financeiras.

Robson Magela canta no CD Casa da Nona com Emílio e Eduardo, Ludy e Miller, Luciana de Paula, Lippe e Fernando, Vitor e Versol, Dudu e Jeremias, Dany e Eliane, Dalila Severo, Paulo e Gustavo, Comitiva Magalhães, Max Millian, Haroldo Júnior, Mário Souza e com seu filho Enzo Magela.

Os postos de troca do CD Casa da Nona por dois quilos de alimentos são na Rádio Cidade, IOS (Instituto de Odontologia e Saúde), New Life Saúde Dom Bosco, Posto Deck e Pet Prime (em frente ao Estádio Fausto Alvim). 

CBMM realiza cadastro socioeconômico para aprimoramento do Plano de Ação de Emergência em Barragen

Em continuidade às ações previstas para o aprimoramento do seu Plano de Ação de Emergência em Barragens, a CBMM iniciará, no dia 29 de julho, o cadastro socioeconômico  para identificação, qualificação e registro de todos os imóveis, edificações rurais, comerciais, públicas ou privadas, localizados no vale abaixo das barragens da Companhia, que não passa pela zona urbana de nenhum município.

Este procedimento, recomendado pela Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, tem o objetivo de garantir a segurança dos moradores e atender às novas exigências da legislação sobre barragens.

O cadastramento será realizado por agentes da “Integratio Mediação Social e Sustentabilidade”, com o apoio do Corpo de Bombeiros de Araxá. A Integratio é uma empresa especializada na consultoria de Projetos de Sustentabilidade, Gestão de Relacionamentos e Mediação Social, que atua facilitando o diálogo e as parcerias entre empresas, instituições, sociedade civil e autoridades.

A CBMM reafirma que todas as suas barragens estão em condições estáveis, inclusive com fatores de segurança acima dos recomendados pelas normas técnicas e exigidos pela legislação vigente. As barragens passam por verificações técnicas periódicas, monitoramento e manutenções constantes, visando garantir o desempenho esperado e as condições de segurança.

Mais do que cumprir as legislações vigentes, a CBMM reforça o seu compromisso com a segurança da comunidade e trabalha de forma proativa, junto aos órgãos competentes, na Gestão de Segurança de suas Barragens.

Pipas prejudicaram fornecimento de energia para 750 mil residências mineiras em 2018

Soltar pipa é uma brincadeira muito popular em Minas Gerais, mas ela precisa ser acompanhada de perto pelos pais e responsáveis para não trazer riscos à segurança da população. Somente no ano passado, ocorreram 2.202 ocorrências na rede elétrica na área de concessão da Cemig,  prejudicando 750 mil unidades consumidoras, residenciais e comerciais. Destas, 131 foram na região Triângulo, afetando 30.168 unidades Consumidoras.

Nos primeiros quatro meses de 2019, na Região Triângulo, foram registrados 33 desligamentos provocados pelo contato de pipas com a rede elétrica, prejudicando mais de 3.724 famílias. O uso do cerol – mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores – é um dos principais causadores dos desligamentos, pois rompem os cabos quando entram em contato com a rede elétrica. Além disso, muitos curtos-circuitos são provocados pela tentativa de retirada de papagaios presos aos cabos.

De acordo com o engenheiro Segurança do Trabalho Demetrio Aguiar, da Cemig, alguns procedimentos devem ser adotados para que não haja risco à segurança nem ocorram interrupções no fornecimento de energia durante a brincadeira. “As pipas devem ser empinadas em locais abertos e afastados da rede elétrica. Jamais se usa fios metálicos ou cerol e, caso a pipa fique presa, não Se pode tentar resgatá-la”, orienta.

Ainda, Demetrio Venicio Aguiar alerta sobre os riscos de um tipo de cabo cortante feito em escala industrial, chamado de “linha chilena”, que, por ser um produto industrial, é mais perigoso que o cerol. Tanto o  cerol quanto a “linha chilena” podem causar acidentes graves com as pessoas que os manipulam e também ocasionar acidentes com terceiros, especialmente motociclistas.

Acidentes graves 

Demetrio Venicio Aguiar conta que a maioria dos acidentes acontece quando o papagaio fica preso na rede elétrica e as crianças tentam retirá-lo utilizando materiais condutores, como pedaços de madeira ou barras metálicas. O contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do risco de queda em função da reação involuntária causado pelo choque elétrico.

Nesses casos, as consequências mais comuns são traumatismos, devido às quedas, e queimaduras graves por causa dos choques.

O engenheiro chama a atenção, ainda, para o fato de que o uso do cerol pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Além disso, muitas crianças amarram as pipas com arames e fios. “São materiais altamente condutores de energia e que acabam sendo energizados quando tocam os cabos de energia, causando o choque elétrico”, explica Demetrio  Venicio Aguiar.

Crime e multa

A lei estadual 14.349/2002 proíbe o uso de cerol ou de qualquer outro tipo de material cortante nas linhas de pipas, de papagaios, de pandorgas e de semelhantes artefatos lúdicos, para recreação ou com finalidade publicitária, em todo o território do Estado de Minas Gerais. Quem for flagrado usando cerol ou linha cortante está sujeito ao pagamento de multa, que varia de R$ 100 a R$ 1,5 mil, podendo ser agravada.

Além disso, quando menores são flagrados usando cerol e o material provoca acidente, os pais podem ser penalizados por danos a pessoa física, ao patrimônio público ou à propriedade privada.

Sem Rima

Um casal de crianças no recreio:

—Ô Joãozinho, faz um versinho pra mim?!

—”Andava pela praia quando vi a Marieta, veio uma onda saliente e molhou sua canela”!

— Ué, não rimou!

— A maré tava baixa, porra!