“A Banda que Voa”, inédito na região, abre o Encontro SESI 2018 nas alturas

A Banda que Voa (1)Não é segredo para ninguém que o Encontro SESI de Artes Cênicas sempre inova e apresenta espetáculos que surpreendem. Isso se repetiu nas vinte e seis edições anteriores e vai acontecer no 27º Encontro, que acontece de 04 a 13 de maio de 2018. Abrindo o evento, no dia 04 de maio, um dos mais inusitados shows da atualidade. A Cia K, de São Paulo, vai descerrar a fita do Encontro SESI 2018 com “A Banda que Voa”.

“O Encontro SESI de Artes Cênicas se transformou várias vezes ao longo de 27 anos de trajetória. Começou como Fest SESI e Mostrará – dividido em duas edições anuais, se unificou, transformando em Encontro SESI de Artes Cênicas, já aconteceu em várias épocas diferentes do ano… O que sempre permanece é o seu caráter inovador, sempre trazendo à Araxá o que há de mais expressivo e reconhecido no Brasil no campo das Artes Cênicas. Nesse ano, em que prestamos reverência a quem, como nós, está a muitos anos em cartaz, a Cia K é homenageada pelos seus 30 anos de carreira, sempre com espetáculos inovadores que já se apresentaram em eventos como as Olimpíadas, Virada Cultural, entre outros”, diz a coordenadora do projeto, Clarisse Elias.

Realizado através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, o 27º Encontro SESI de Artes Cênicas tem o patrocínio da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e da Usina Santo Ângelo. “A Banda que Voa” é um espetáculo singular, criado pela reconhecida Cia K, com mais de 30 anos de existência. Na apresentação, o Cantor e Compositor San da Mí, antigo vocalista do grupo Sambô, e toda a banda, ficam literalmente nas alturas. O show acontece à cerca de 40 metros de altura.

San da Mí e seus músicos são presos a cabos de aço e içados por um guindaste. O espetáculo, além de surpreender, promete animar, contagiar e emocionar o público. A apresentação vai acontecer no palco externo do Teatro Municipal de Araxá, a partir das 20h, com acesso gratuito para toda a população, abrindo a temporada 2018.

O Encontro

No 27º Encontro SESI de Artes Cênicas, quatro cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba recebem espetáculos de dança, música, performance e oficinas. A programação contempla Araxá, Conceição das Alagoas, Pirajuba e Uberaba, com atrações descentralizadas, de 4 a 13 de maio de 2018.

O tema “O teatro permanece, a alegria nunca sai de cena” aprecia companhias de dança, grupos de teatro, músicos, enfim, todos aqueles que trabalham de forma densa para permanecer nos palcos há mais de uma década. No histórico, nomes que remetem Minas Gerais, o Brasil e diversos países pelo mundo. Todas as apresentações são gratuitas.

Ascom 27º ESAC

Cemig faz operação simultânea antigatos em todo o estado

inspecao energia eletricaCerca de 150 profissionais da Cemig participam, nesta segunda e terça-feira (23 e 24/4), de uma grande operação antigatos que acontece simultaneamente em todas as regiões do estado. A expectativa da empresa é realizar, durante os dois dias, 400 inspeções por suspeita de fraudes e ligações clandestinas e 5.200 cortes por inadimplência.

No Triângulo Mineiro, serão realizadas 37 inspeções e 600 cortes, concentrados na cidade de Uberlândia. Só no ano passado, nesta região do estado, foram realizadas 6.459 inspeções, sendo que em 3.681 foram encontradas irregularidades, cerca de 57% de acerto.

As ligações irregulares e clandestinas, popularmente conhecidas como gatos, geram prejuízo anual de aproximadamente R$ 300 milhões à companhia. De acordo com Armando Fernandes Rocha, engenheiro de planejamento energético da Cemig, a tarifa dos consumidores mineiros poderia ser até 5% mais barata se não houvesse ligações irregulares e clandestinas na área de concessão da Cemig. Por isso, a companhia investe em operações e possui, ainda, um centro de inteligência que acompanha o consumo em tempo real de todos os seus clientes.

“Acompanhamos o consumo dos mais de 8 milhões de clientes e, além de fazer a rotina diária de inspeções através dessas avaliações de consumo, fazemos inspeções rotineiras e mutirões em todos o estado. Temos encontrado muitas irregularidades e, ao corrigi-las, conseguimos preservar a receita da companhia”, destaca o engenheiro.

Armando Rocha ressalta que essa fraude acontece em todas as classes sociais e precisa ser combatida exaustivamente para conscientizar a sociedade: “É uma questão de cultura e estamos combatendo isso. O prejuízo é rateado entre a Cemig e todos os consumidores adimplentes, diminuindo os ganhos da distribuidora e encarecendo a tarifa para aqueles que usam a energia de maneira honesta”.

Prática é criminosa

Caso seja confirmada a irregularidade pela Cemig, o titular da unidade consumidora pode responder criminalmente, já que a intervenção é crime previsto no artigo 155 do Código Penal e prevê multas e pena de um a oito anos de reclusão, além da obrigação de ressarcimento de toda a energia furtada e não faturada em até 36 meses, de forma retroativa.

“Além da sobrecarga na rede elétrica, as ligações irregulares podem causar graves acidentes, danos aos equipamentos elétricos e queda na qualidade da energia, devido às constantes interrupções no sistema elétrico provocadas pelo consumo irregular. Vale lembrar, ainda, que várias ocorrências de rompimento de fios e queima de transformadores são registradas devido a essa prática criminosa”, finaliza Armando Rocha.

As ligações irregulares e clandestinas representam a segunda maior causa de mortes com eletricidade no Brasil, atrás apenas de acidentes fatais na construção civil e manutenção predial. A população pode denunciar irregularidades pelo telefone 116. O risco de acidentes decorre da falta de padronização e de proteção adequada das ligações ilegais, que muitas vezes deixam os cabos de energia expostos.