Archives for

Cha

Cemig recebe projetos de mobilidade elétrica em chamada pública

Estão abertas as inscrições da Chamada Pública 022/2018 da Aneel, para projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) relacionadas ao tema “Desenvolvimento de Soluções em Mobilidade Elétrica Eficiente”. O objetivo do edital é fomentar as iniciativas que apresentem soluções inovadoras para a mobilidade urbana, utilizando veículos movidos a motores elétricos. Os recursos podem chegar a R$ 20 milhões.

 Segundo o assessor da presidência da Cemig Marco Antônio Lage, a chamada pública irá estabelecer parcerias com universidades, empresas e instituições de pesquisa para o desenvolvimento de tecnologia de interesse para o setor energético, a Cemig e a sociedade como um todo.

 “A mobilidade elétrica faz parte do futuro da energia. Trata-se de um conjunto de tecnologias fundamentais e integrantes das redes inteligentes. Elas têm importância tanto em relação a novos pontos de consumo quanto para o armazenamento móvel de energia, contribuindo para alterar a configuração do sistema elétrico”, explica Marco Antônio.

 Ainda de acordo com o assessor, o mundo já tem muitas experiências positivas e o Brasil não pode ficar para atrás. “Por isso, investigar a interação dos modais de transporte elétricos é muito importante, seja para melhorar a eficiência da rede ou mesmo para construir novos modelos de negócios inovadores em energia”, conclui.

 As inscrições podem ser feitas até as 15 horas do dia 7 de junho.

 Sobre a Chamada Pública

A chamada pública tem como base a nova estratégia de investimento em pesquisa e desenvolvimento elaborada a partir do Plano Estratégico de Inovação de Tecnologia Digital, denominado Cemig 4.0. O plano possui três eixos fundamentais: digitalização, descarbonização e descentralização. Juntos, eles têm o objetivo de orientar os investimentos em P&D e acelerar as transformações tecnológicas dentro da empresa e em prol da sociedade.

 O edital fomenta a participação de universidades, centros de pesquisa, empresas e startups para que apresentem propostas em qualquer fase da cadeia de inovação. O julgamento e seleção das propostas serão realizados em duas etapas: pré-qualificação e avaliação de mérito.

 Os recursos são viabilizados pela a Lei 9991/2000,  que estabelece às concessionárias e permissionárias de distribuição, geração e transmissão de energia elétrica a aplicação anual de parte de sua receita operacional líquida no Programa de P&D do Setor de Energia Elétrica, regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Veja como evitar acidentes com celulares e dispositivos móveis

man is turning off  power adapters for mobile phonesAparentemente inofensivos, smartphones e outros dispositivos móveis podem provocar acidentes graves e até mesmo fatais. Segundo dados da Associação Brasileira de Conscientização dos Perigos de Eletricidade (Abracopel), em 2018 foram registrados 41 acidentes com celulares no Brasil, que resultaram em 23 mortes.

O engenheiro de Segurança do Trabalho Demetrio Aguiar, da Cemig, explica que o uso desses aparelhos enquanto estiverem conectados à tomada superaquece as baterias e os componentes internos, o que pode resultar em explosão ou em danos irreparáveis ao dispositivo.

Carregadores falsificados também pode danificar os dispositivos móveis, já que a produção deles não atendem aos padrões internacionais exigidos pelos fabricantes regularizados. “Eles têm um preço bastante atrativo, mas não trazem segurança alguma”, ressalta Demetrio Aguiar.

“O carregador ‘pirata’ é feito de forma relativamente simplificada. Alguns itens importantes para a segurança dos usuários são inexistentes. Nos casos em que o carregador apresenta defeito, há o risco de a tensão de entrada, que é de 127 ou 220 volts chegar à saída, podendo danificar o aparelho, ocasionando, ainda, choque elétrico, explosões e princípios de incêndio. Por isso, o ideal é desconectá-lo do carregador ao atender chamadas ou enviar mensagens”, orienta o engenheiro. O mesmo vale para carregadores portáteis (“powerbanks” e capas carregadoras).

O carregamento deve ser feito com o aparelho sobre uma superfície lisa e bem ventilada sem a capinha de proteção para melhorar o arrefecimento, livre de materiais combustíveis como tecidos de toalhas de mesa, cortinas, forração de sofás, entre outros. “Em caso de princípio de incêndio, tais materiais queimarão com facilidade e propagarão as chamas a outros ambientes”, alerta Demetrio.

O especialista destaca também que dispositivos móveis devem ser evitados em alguns ambientes. “O uso em banheiros e cozinhas é ainda mais preocupante, pois esses locais contêm água nas pias, lavatórios e vasos sanitários. Se um aparelho entrar em contato com a água, ele pode estragar e, caso esteja conectado ao carregador, até provocar choque elétrico na pessoa que o manuseia”, afirma.

Outro alerta importante é que, durante as tempestades, o smartphone ou tablet só poderá ser utilizado se ele não estiver conectado ao carregador. Isso porque os raios podem percorrer a rede elétrica do imóvel e atingir o carregador do dispositivo. Eventuais instabilidades na rede elétrica também podem facilitar a passagem de corrente através do carregador.

Há locais em que o uso de celulares é proibido, a exemplo de postos de combustíveis e em alguns ambientes industriais. Deve-se  seguir a sinalização de orientação desses locais.

Brasil teve mais de 600 mortes causadas por acidentes com a rede elétrica em 2018

No ano passado, foram registrados 1.424 acidentes com origem elétrica em todo o país, sendo 836 choques, 537 incêndios por sobrecarga ou curto-circuito e 51 descargas atmosféricas (raios). Isso representou um aumento de 2,67% em comparação ao ano anterior, e de 37,2% em relação a 2013, quando a Abracopel iniciou o levantamento das informações.

Desse total de acidentes, foram registradas 622 mortes por choques elétricos, 61 mortes por incêndios (nove delas no incêndio do Edifício Wilton Paes de Almeida, na capital paulista) e 38 mortes por raios.

O número de mortes por choques elétricos caiu em 2018, com cinco mortes a menos que em 2017. No entanto, o número de mortes por incêndios originados em sobrecarga da rede elétrica dobrou, passando de 30 casos no ano anterior para 61 em 2018.

Cemig entrega obras em linha de distribuição de energia em Araxá

linha distribuicao cemig AraxaA Cemig concluiu as obras de adequação da linha de distribuição que parte da subestação Araxá 2 para atender a CBMM, em Araxá. O investimento envolveu a construção de seis estruturas para desviar em 1,5 km a extensão da referida linha, desmontagem de outras cinco estruturas e realização de demais melhorias necessárias à garantia da qualidade do abastecimento de energia.

Após quatro meses de trabalho, a obra foi concluída nesta semana e recebeu investimentos de quase R$ 1 milhão. Além dessa melhoria, a Cemig está realizando este ano um plano de investimentos da ordem de R$ 100 milhões para ampliar a oferta de energia aos municípios do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba.

Em Araxá serão instalados dois novos alimentadores de 13,8 kV e construído um novo tronco de alimentador na área rural do município, para melhorar os níveis de tensão no distrito industrial e região e ampliar a oferta de energia aos atuais e novos clientes.

Esse investimento é parte das obras de expansão e melhoria das redes de média tensão (13,8kV) que está em andamento e vai beneficiar diretamente 24 municípios da região, alcançando cerca de 1,6 milhão de pessoas. As melhorias contemplam a instalação de novos alimentadores e banco  de capacitores, e substituição de cabos nas áreas urbana e rural.

Os investimentos abrangem ainda obras de expansão em alta tensão. A região vai ganhar quatro novas subestações (SEs) com a construção das SEs Serra do Salitre, Romaria, Araguari 3 e Varjão de Minas, além das subestações Campos Altos e Pedrinópolis, que já estão concluídas.