Archives for

Artes e Entretenimento

Pré -Fliaraxá realiza atividades e lança o Prêmio de Redação 2019

fliaraxaNa próxima semana, de 2 a 5 de abril, terça a sexta-feira, acontecerão bate-papos, roda de leitura e contação de histórias dentro das atividades do Pré-Fliaraxá, que tem por objetivo preparar a cidade para receber o Festival Literário de Araxá, que acontecerá em junho. Na programação também está o lançamento da edição de 2019 do Prêmio de Redação Maria Amália Dumont, concurso realizado pelo Fliaraxá, destinado aos estudantes das escolas públicas e particulares de ensino médio e fundamental de Araxá. Todas as atividades são gratuitas. 

No dia 2 de abril, terça-feira, às 19h30, haverá bate-papo com o gestor Pierre André Ruprecht, diretor-executivo da Associação Paulista de Bibliotecas e Leituras (SP Leituras), para falar sobre o tema “O Papel da Biblioteca Pública na Atualidade”. A mediação será feita pelo jornalista César Campos. O evento acontecerá no Salão do Tribunal do Júri no UniAraxá, na Av. Min. Olavo Drummond, 05, São Geraldo/Araxá.

No dia 3 de abril, quarta-feira, às 15h, ocorrerá Roda de Leitura Virtual, com os curadores locais do Fliaraxá, os escritores Rodrigo Feres, Rafael Nolli e Luiz Humberto França. No evento, eles irão conversarão pela internet com os leitores e contarão detalhes sobre os preparativos para o Fliaraxá 2019 e as novidades desta edição. Levando em conta o tema do festival, “Literatura, Leitura e Imaginação”,  irão destacar a grade da programação local, que terá como patrona Maria Santos Teixeira. Quem não puder ir até o local, poderá assistir pelas redes sociais e interagir com os curadores por meio do Instagram da Livraria Nobel Araxá no endereço web: @nobelaraxa. A mediação será feita pela livreira Talita Tavares. A Livraria Nobel fica na Rua Dom José Gaspar 267, Centro/Araxá. 

No dia 4 de abril, quinta-feira, às 19h30, haverá bate-papo com o escritor Leo Cunha, curador da programação infantil do Fliaraxá. No evento, o premiado escritor infanto-juvenil, autor de mais de 60 livros vai falar sobre o tema “A literatura infantil no Fliaraxá: poesia, humor e imaginação”. O autor também abordará sobre o seu processo de criação e do cenário atual da literatura para crianças. No encontro também acontecerá o lançamento da edição 2019 do Prêmio de Redação Maria Amália Dumont, que tem por objetivo revelar novos talentos, promover a literatura nacional e incentivar o hábito da leitura. Na oportunidade, será apresentado o tema da redação “Leitura e Imaginação” e distribuídos o regulamento, a folha de redação e o termo de autorização. O evento será no Auditório da Associação Comercial (Acia), na Avenida Getúlio Vargas, 365, Bairro Centro/ Araxá. 

E na sexta-feira, dia 5 de abril, às 14h, o grupo Semeando Histórias desembarca na Associação de Pais e Amigos do Excepcionais (APAE), uma das entidades mais antigas de Araxá. A instituição realiza diversos atendimentos nas áreas de educação, saúde e assistência social. O objetivo do encontro é tornar o dia das crianças e adolescentes mais divertido com brincadeiras e contação de histórias de livros clássicos de autores nacionais. A APAE fica na Avenida Imbiara, 1.920, Bairro Sagrada Família/ Araxá. 

Sobre o VIII Fliaraxá

A oitava edição do Fliaraxá – Festival Literário de Araxá – vai acontecer entre 19 e 23 de junho, quarta a domingo, no Tauá Grande Hotel de Araxá. O motivo da escolha deste período do ano é dos mais importantes: em  19 de junho, sexta-feira, faz aniversário de 180 anos o nosso maior escritor, Machado de Assis que torna-se, assim, o Patrono do Festival. Dando sequência à política de aproximação com a literatura lusófona, o Autor Homenageado será Valter Hugo Mãe. E o tema, “Literatura, Leitura e Imaginação”, onde  todos os gêneros, estilos e possibilidades do livro e seus conexos, como cinema, teatro e música serão explorados. Os curadores serão Heloisa Starling e Sergio Abranches, além de  Afonso Borges, que é o idealizador do Festival.

O Fliaraxá é uma realização da Associação Cultural Sempre um Papo, CBMM e do Ministério da Cidadania, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, da Secretaria Especial de Cultura do Governo Federal.  Todas as atividades são entrada franca.

Pré-carnaval: Ligação provisória deve ser solicitada com antecedência

FOTO: ISTOCKPHOTOS

FOTO: ISTOCKPHOTOS

O pré-carnaval está mobilizando foliões em diversas cidades de Minas Gerais. Mas a festa não é só divertimento: a economia é aquecida, e barracas e comércios são criados para a comodidade dos foliões, sendo que a energia elétrica é fundamental para o funcionamento dessas estruturas provisórias.

Por isso, os organizadores também devem ficar atentos ao prazo de atendimento para solicitar as ligações provisórias à Cemig. Segundo o agente de processos comerciais da Companhia Rosano Figueiredo Guilherme, o ideal é que os requerimentos sejam encaminhados com, no mínimo, 48 horas de antecedência a qualquer agência da Cemig.  Vale lembrar que não poderá haver débito vencido em nome do solicitante. No caso de evento realizado em via pública, será obrigatória a apresentação de documento de autorização emitido pela prefeitura ou outro órgão competente.

“Caso seja necessária a ligação provisória de energia elétrica, o responsável deve ir até a agência da Cemig mais próxima, informar o local e os equipamentos elétricos a serem utilizados e pagar a taxa referente à prestação do serviço que será executado por técnicos da empresa. Além disso, todo serviço de instalação elétrica interna das barracas deve ser feito por profissional especializado, eletricista predial ou padronista”, explica Figueiredo. A fiação também deve ser disposta de forma que não haja risco de energização acidental da estrutura da barraca, o que poderia colocar em perigo as pessoas e resultar até em acidentes graves e fatais.

O engenheiro de segurança Demétrio Venício Aguiar, da Cemig, também recomenda que os enfeites de ruas e praças, como as típicas bandeirolas, faixas e outros adereços, sejam feitos com materiais isolantes, biodegradáveis e que não sejam afixados próximos da rede elétrica. Os fogos de artifício devem ser manuseados somente por adultos e utilizados em locais distantes da fiação, afastados de bandeirinhas e outros materiais que apresentem risco de incêndio.

Não deixe o choque elétrico acabar com a energia do seu carnaval

• Para a instalação de enfeites em ruas e praças, respeite a distância mínima de 1,5 metro em relação à rede elétrica. Quanto maior a distância, maior é a segurança.

• Não instale enfeites ou qualquer outro tipo de adereços utilizando os postes ou os pontaletes de padrão da Cemig como forma de fixação dos mesmos.

• Não utilize arame ou fio metálico para afixar bandeirinhas e demais enfeites.

• Todos os enfeites devem ser bem afixados, para que o vento não os projete contra a fiação da rede elétrica, provocando acidentes graves.

• Se for necessário usar equipamentos elétricos, como freezers, lâmpadas, etc, não faça “gatos” em hipótese nenhuma. Solicite junto à Cemig uma ligação provisória.

• A instalação elétrica das barracas deve ser feita por eletricista profissional, protegida contra esforços mecânicos e por disjuntor termomagnético.

• Nunca tente retirar qualquer tipo de material, que, por qualquer motivo, possa estar preso à rede elétrica.

• Não se aproxime de fios partidos caídos ao solo ou dependurados nos postes de energia. Impeça que outras pessoas se aproximem e avise imediatamente a Cemig por meio do Fale com a Cemig – 116.

Iluminação, enfeites e alegorias

• Não lançar artefatos – como serpentinas e confetes, entre outros, metálicos ou não – na rede elétrica.

• Antes de fazer qualquer ligação elétrica ou de instalar enfeites e alegorias, consultar a Cemig.

• Não instalar nenhum enfeite próximo à rede elétrica.

• Não fazer ligações clandestinas (gatos).

• Não jogar líquidos, sprays e água na rede elétrica. Há risco de choque elétrico.

Trios elétricos e carros alegóricos

• O trajeto dos trios elétricos e carros alegóricos deve ser vistoriado previamente, considerando a altura total do veículo com as pessoas sobre ele, em relação à fiação da rede elétrica e demais obstáculos.

• Também deve ser levada em conta a altura das redes de telecomunicações existentes, pois existe o risco de colisão com os fios e consequente derrubada dos postes, cabos e equipamentos da rede elétrica, que podem cair sobre o próprio veículo ou sobre os foliões.

• Nunca tentar suspender cabos de qualquer natureza para facilitar a passagem de trios elétricos ou carros alegóricos. Em caso de risco de colisão dos veículos com os cabos, acionar a Cemig imediatamente.

• Observar a existência da rede elétrica e tomar cuidado para não se aproximar dela ou não tocá-la.

Palanques e palcos de shows

• A montagem e a desmontagem devem considerar a existência das redes elétricas aéreas e, em caso de escavação, também redes subterrâneas, respeitando a distância mínima de 1,5 metro dos cabos e equipamentos da rede.

• A fixação das coberturas deve ser feita adequadamente para evitar o desprendimento e possível projeção contra a rede elétrica.

Colisão de veículos com postes

• Não sair do veículo. A pessoa poderá tomar um choque se houver algum cabo partido em contato com o veículo. Se precisar sair do veículo em função de um incêndio, abrir a porta e pular com os pés juntos, o mais longe possível, sem tocar a lataria do carro e se afastar do local com pequenos passos.

• Em caso de cabo partido, o socorro às vítimas deve ser feito com total segurança por equipes especializadas, e deve-se acionar imediatamente a Cemig para desligar a rede elétrica e o Corpo de Bombeiros.

O Festival Teatro em Movimento leva o espetáculo Justa para Araxá

post quadradoDepois estrear no Rio de Janeiro, o espetáculo JUSTA, com texto de Newton Moreno e direção de Carlos Gradim, desembarca em Araxá para únicas apresentações no Teatro Municipal de Araxá, dias 1 e 2 de dezembro. Com Yara de Novaes (ganhadora do Prêmio Shell de melhor atriz em 2017 pelo espetáculo “Love, Love, Love”) e Rodolfo Vaz (Prêmio Shell de melhor ator em 2007 pela peça “Salmo 91”) no elenco, a peça marca os 20 anos de trajetória da Odeon Companhia Teatral.

O trabalho foi idealizado por Gradim, que convidou Moreno para escrever um texto sobre a vida e a intimidade das prostitutas. Depois de discutir o esgotamento ético do Brasil atual e as mazelas sociais da população, eles criaram uma espécie de crônica política dos nossos tempos. Na trama, um investigador trabalha com crimes contra políticos corruptos brasileiros e tenta encontrar algum cidadão ético e incorruptível.

Nesse caminho, ele colhe o depoimento de várias prostitutas, todas interpretadas por Yara de Novaes, que são alegorias para o povo brasileiro. Uma delas é Justa, uma mulher ética no trabalho, na vida e no relacionamento com os clientes. ”A realidade do Brasil vem através dos discursos da vida dessas mulheres, do que as levou até ali, das injustiças e desigualdades sociais que sofrem. Em alguma delas, há uma defesa da prostituição como uma escolha do feminino, uma atitude política consciente”, comenta Newton Moreno.

Com um clima investigativo típico do Cinema Noir, a peça está recheada de metáforas que apontam para o reencantamento do povo pela justiça. “Nossa fábula metaforiza a necessidade de erradicar uma velha política. Após este momento de esgotamento ético, como avançar em tempos de extremos, quando parece que a única forma de diálogo é a violência? (ou o não diálogo?). Mas em nossa fábula, pensamos não mais a política como prostituição, mas a prostituição como política”, instiga o dramaturgo. Outra referência é a obra “Mãe, Filha, Avó e Puta”, de Gabriela Leite. Antes de chegar a Araxá, o espetáculo estreou no Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro (CCBB Rio) no final de 2017 e foi selecionado para duas apresentações na Arena Carioca Jovelina Pérola Negra, no município de Pavuna, em janeiro de 2018. SOBRE O FESTIVAL TEATRO

EM MOVIMENTO

O Festival Teatro em Movimento, coordenado pela Rubim Produções, completa 17 anos, em 2018. Com o objetivo de descentralizar o acesso às montagens do eixo Rio-São Paulo, o Festival promove a circulação de grandes espetáculos para Belo Horizonte, transformando a capital em praça relevante para a apresentação de importantes repertórios. Além disso, o projeto também atua em outros estados e o outras cidades. E desde então, contabiliza 278 montagens, que somam mais de 553 apresentações, envolvendo cerca de 600 artistas, em 14 cidades, 27 teatros e público superior a 792.799 mil pessoas. Com o intuito de consolidar o hábito de ir ao teatro e fomentar a cultura das artes cênicas, os espetáculos acontecem ao longo do ano e não concentrados em um curto período como nos outros festivais, possibilitando a formação de um espectador mais crítico e de um público mais habituado a lotar as salas dos teatros. Para ratificar a potencialidade de transformação social e cultural do teatro, o TM ainda promove oficinas gratuitas, palestras e workshops para profissionais da área e interessados. Criando-se uma rede de circulação de informação e fortalecendo a possibilidade de sustentabilidade do setor cultural.

SINOPSE

A partir da investigação de crimes contra políticos corruptos brasileiros, um oficial justiceiro encontra um amor improvável e se depara com a recorrente pergunta de nosso imaginário como nação: haverá alguém não corruptível neste país? O espetáculo é uma alegoria cênica para o esgotamento ético em que o Brasil está mergulhado e para a urgência de um reencantamento do povo com a beleza da justiça.

FICHA TÉCNICA
Texto: Newton Moreno
Direção Geral: Carlos Gradim
Elenco: Yara de Novaes e Rodolfo Vaz
Diretor de Produção: Emerson Mostacco
Diretor Assistente: Leandro Daniel
Assistência de Direção: Murillo Basso
Design de Luz: Telma Fernandes
Cenografia: André Cortez
Figurinos: Fábio Namatame
Trilha Sonora Original: Dr. Morris
Produção Musical: Yvo Ursini
Voz do Hino de Ninar: Laila Garin
Gargalhada: Teuda Bara
Conteúdo Audiovisual: George Queiroz
Assistente de Cenógrafia: Carmem Guerra
Diretor de Palco: Igor Biond
Operação de Luz: André Prado
Operação de Áudio e Vídeo: Vitor Vieira
Contrarregragem: Márcio Santiago
Projeto Gráfico: Beto Martins e Gabriela Rocha
Fotos: João Caldas (Formato Estúdio) e Elisa Mendes
Assistente de Produção: Márcia Costa
Coordenação Administrativo: Thais Boaventura
Assistente Administrativo: Mariana Braga
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Coordenação Geral: Odeon Companhia Teatral
Realização: Teatro em Movimento

SERVIÇO
JUSTA, com texto de Newton Moreno e direção de Carlos Gradim
Teatro Municipal de Araxá – Av. Antonio Carlos, s/n – Centro
Apresentações: 01 e 02 de dezembro, sábado às 20h e domingo às 19h
Ingressos: gratuitos. Retirada a partir de uma hora antes de cada sessão.
Classificação: 18 anos
Duração: 90 minutos
Informações: (31) 3282-5420

Oito oficinas complementam programação do 27º Encontro SESI de Artes Cênicas

Oficineiros_Encontro_SESIEm cada cidade oportunidades diferentes de aprendizado para quem interessa em aperfeiçoar em um cenário das artes cênicas. Técnicas Acrobáticas, Iniciação a Arte Circense, Musicalidade na Dança de Salão, Balé de Repertório, Iniciação Teatral, e Viola Caipira.

Os interessados devem se inscrever pelo email encontroaraxa@gmail.com até às 23h59 do dia antes da oficina interessada, enviando NOME COMPLETO, FORMAÇÃO, TELEFONES DE CONTATO, e escrever no título OFICINA ARAXÁ ou OFICINA CONCEIÇÃO.

Araxá

Em uma atividade de base formativa e cultural o diretor da Cia K (SP), Kiko Caldas, ministra a palestra Técnicas Acrobáticas na tarde de sábado, 05 de maio, de 16h às 17h30. A proposta é ensinar brincando jovens e adultos, a partir de 15 anos, que tenham envolvimento com atividades artísticas como teatro, circo ou dança. Movimentos naturais promovem posições invertidas, rotações, giros, equilíbrios estáticos e dinâmicos serão trabalhados por Kiko Caldas, que foi um dos pioneiros à realizar, em Minas Gerais e São Paulo, espetáculos usando a linguagem do circo contemporâneo.

Na segunda feira, 07/05, Iniciação a Arte Circense com Rodrigo Chagas com três opções de horários para públicos distintos. Pela manhã, de 10h às 12h, para crianças; matutino de 15h às 17h para adolescentes; e a noite, de 19h às 21h adultos. A vivência vem de encontro ao que está sendo discutido e pesquisado no âmbito circense no país, e mundo, dentro da perspectiva de estímulo através das técnicas e aparelhos circenses. Rodrigo Chagas é ator, diretor e encenador, especialista em metodologia do ensino de artes pela Uninter, é instrutor de teatro e circo no Centro Cultural SESIMINAS José Maria Barra em Uberaba desde 2011 e na Unidade SESI/Senai Araxá desde 2017. Os alunos terão acrobacia de solo, aérea, acrobalance e expressão corporal, entre as modalidades.

Sábado (12/05) a oficina Expressão e Musicalidade na Dança de Salão vsa trabalhar a percepção e a expressão corporal através de estilos diferentes, com Isaias Mniguelangelo. Entre 15h30 e 17h é a vez do Forró e Bachata, e de 17h às 18h30 Kizomba e Samba. Isaias Miguelangelo é professor e coreógrafo de Dança de Salão formado pela Unidança de Belo Horizonte e desenvolve trabalhos nacionais e internacionais desde 2002, além de ser o produtor do Congresso Baila Triângulo e instrutor no Centro Cultural SESIMINAS José Maria Barra, em Uberaba/MG. O público alvo é adolescentes a partir de 14 anos até adultos de 60 anos.