Archives for

Curiosidades

Cuidado com a bebida

Atenção vc que gosta muiiiiiiiiiiiito de beber ate cair.

leia com atenção:

sem penisVocê já deve ter ouvido falar de bêbados que perdem as chaves da casa, a roupa ou a dignidade após uma bebedeira. Mas o caso deste dominicano é novo. Um homem de 64 anos disse que acordou sem o pênis após uma noite de bebedeira na República Dominicana.

Geraldo Ramos, da cidade de Santiago, disse ao site Noticias Sin que não se lembra como conseguiu perder seu “membro íntimo”, mas correu para o hospital após o misterioso desaparecimento.

Vizinhos disseram que um cão teria atacado o bêbado, mas Ramos nega essa versão.

Após o incidente, Ramos disse que vai abandonar a bebida.

Nesta semana, nos EUA, um homem acusou um cão de ter devorado seu testículo.

Segundo a vítima, que sofre de paralisia da cintura para baixo, um cão que dormia entre suas pernas teria devorado um dos testículos.

Fonte: Folha de Dourados

CURIOSIDADE: Você imagina a velocidade que estamos viajando no Universo?

velocidade-universoVivemos nossa vida, vivendo dia após dia, e não nos damos conta de que estamos nos movimento à uma velocidade absurda neste Universo!

A verdade é que a Terra gira a quase 1,7 mil quilômetros por hora sobre o próprio eixo — sem falar que o nosso mundo também está orbitando ao redor do Sol. Já o sistema solar está se deslocando no interior da Via Láctea — e a nossa galáxia, por sua vez, está se movendo pelo universo! Você consegue imaginar a velocidade combinada de tudo isso?

Tudo é uma questão de referência

Em realidade, nós não sentimos que estamos rodopiando tão depressa por conta da própria natureza do movimento. De acordo com um interessante vídeo do pessoal do portal Business Insider, a velocidade não é uma grandeza absoluta, mas sim relativa — e isso significa que, para medir o quão rápido um corpo está se movendo, é necessário usar outro objeto como referência.

Imagine que você está viajando de carro a 80 quilômetros por hora. Se você vedar as janelas e apenas ver o que existe no interior do veículo, você não vai notar a velocidade com a qual está se deslocando. Para isso, você precisaria olhar para o exterior. A mesma coisa acontece na Terra, ou seja, como todo mundo e tudo o que exista na superfície está se movendo na mesma velocidade, a impressão que temos é que não saímos do lugar.

Entretanto, como você sabe, a Terra leva cerca de 24 horas para completar uma volta sobre o próprio eixo, o que significa que, na altura da Linha do Equador, a velocidade de deslocamento é de perto de 1,7 mil km/h — conforme já explicamos no começo da matéria. Aliás, é a partir daqui que as coisas ficam realmente interessantes!

Se levarmos em consideração que o nosso planeta leva 365,24 dia para completar uma órbita ao redor do Sol — trajeto equivalente a aproximadamente 940 milhões de quilômetros —, é possível estimar que a Terra está viajando a cerca de 107,3 mil de km/h ao redor da estrela. Além disso, não podemos nos esquecer de que o sistema solar não se encontra paradinho no interior da Via Láctea.

Correndo pelo cosmos

O nosso “astro-rei” também está se deslocando — e nos arrastando com ele — a mais de 69 mil km/h próximo ao centro da Via Láctea e, ao mesmo tempo, a estrela está se movendo em direção ascendente com respeito ao plano da galáxia a mais de 25 mil km/h. E isso não é tudo!

O Sol completa uma órbita na Via Láctea a cada 225 milhões de anos — viajando a mais de 777 mil de km/h. Somando tudo, nós, terráqueos, estamos nos deslocando com o sistema solar pela galáxia a astronômicos 871.781 km/h! E isso que ainda tem a velocidade com a qual a Via Láctea está perambulando pelo universo.

De acordo com o vídeo, a velocidade da nossa galáxia com respeito à radiação cósmica de fundo — ou seja, radiação eletromagnética da época do Big Bang e que preenche o universo — é de pouco mais de incríveis 581 quilômetros por segundo.

Assim, considerando que a Terra está girando sobre o próprio eixo e está se movendo ao redor do Sol que, por sua vez, está girando ao redor da galáxia, que está zunindo pelo universo, nós estamos nos deslocando a uma velocidade combinada de quase 850 quilômetros por segundo através do cosmos.

ORIGINALMENTE EM AH DÚVIDO

Fontes

25 Surpreendentes Mistérios Inexplicáveis – Parte 1

misterioSim! Você que pensava que não teríamos mais megapost de mistério, lamento, pois esse é UM MEGAPOST DE MISTÉRIOS!

São mistérios dos mais variados tipos que forma essa coletânea composta de 25 mistérios que não apareceram antes aqui no blog. Dependendo da aceitação do público devemos retomar a série dos mistérios por aqui.

Depois de olhar pela Internet e ver as inúmeras cópias de nossos posts antigos de mistérios, resolvi que já estava na hora de fazer algo novo para esse povo copiar. Então recostesse e relaxe e veja mais uma mega lista do AH Duvido!

25. Galáxias que desafiam a Física

Uma galáxia é um grande sistema, gravitacionalmente ligado, que consiste de estrelas, remanescentes de estrelas, um meio interestelar de gás e poeira e um importante mas insuficientemente conhecido componente apelidado de matéria escura. A palavra “galáxia” deriva do grego ‘’galaxias’’ (γαλαξίας), literalmente “leitoso”, numa referência à nossa galáxia, a Via Láctea. Exemplos de galáxias variam desde as anãs, com até 10 milhões de estrelas, até gigantes com 100 trilhões de estrelas, todas orbitando o centro de massa da galáxia.

Elas, teoricamente, deveriam respeitar as leis da física, o que faria com o que elas tivessem formatos “pré-definidos” dependendo da sua classe. No Universo ao nosso redor, a maioria das galáxias tem uma dentre três formas: esferoidal, disco ou irregular. No entanto, o que a Ciência descobriu nesses anos de exploração espacial é que não é bem assim! Já foram encontradas galáxias em formato um tanto incomuns: quadradas, triangulares, em formato de bastão, com um domo ao redor, enfim, as bizarrices não foram poucas.

Entretanto, não vamos falar de todas e sim daquelas que fizeram os cientistas “pirarem o cabeção”! A primeira é LEDA 074886, a galáxia retangular. Nas palavras do professor Alister Graham da Universidade de Tecnologia de Swinburne, na Austrália, membro da equipe que congrega ainda astrônomos da Alemanha, Suíça e Finlândia:

“É uma daquelas coisas que só pode fazer você rir, porque ela não deveria existir, ou, pelo menos, nós não esperávamos que existisse,”

Estudos dos astronomos não chegaram nenhuma conclusão sobre o que ocasionaria a formação de uma galáxia assim e teve entre eles que arriscaram um absurdo a primeira vista: “Essa galáxia foi construída!” afirma Sora Nakahara, membro da equipe do Subaru, telescópio responsável pela descoberta.

Não menos intrigantes temos os casos da galáxia NGC 253, a única galáxia descoberta que tem um buraco negro inativo, isso mesmo, ele simplesmente parou de “funcionar” – cientistas acreditam que entrou em “estado de hibernação” (já que não temos explicação melhor para dar… cof, cof) e também do grande vazio de Eridanos, a única região do espaço que é completamente vazia …. bilhões de anos-luz de espaço vazio, nada existe lá, nem mesmo a poeira espacial, o absoluto nada. Sobre esse último caso, teóricos já tentaram explicar sem sucesso como algo assim pode existir, logicamente, os mais ousados já levantaram três hipóteses  bizarras: (a) Eridanos é o berço do Universo, local de onde o Big Bang se expandiu, (b) Eridanos é uma zona bloqueada do espaço, existe uma barreira que impede de ver além das suas fronteiras e não devemos ir atrás de quem criou alguma coisa dessa e muito menos saber o que há além, já que, se tiveram todo esse trabalho para esconder do resto do Universo essa região, ou lá tem uma coisa muito boa ou muito ruim! (c) Eridanos é o resultado da arma de destruição Universal mais mortífera que qualquer população alienígena já criou!

24. O Trem Fantasma de Luna Park

Nada mais agradável do que passar o final de semana com a família em um parque de diversões, não é? Jenny e John Godson certamente não estariam de acordo com essa afirmação. Em um fatídico dia de junho de 1979, o casal resolveu levar a família para um passeio no Luna Park, um famoso parque de diversão de Sidney da década de 70.  Todos os sorrisos e alegrias daquele dia terminaram no momento em que a família decidiu gastar os últimos bilhetes para explorar o temível “Trem Fantasma” de Luna Park.

Histórias estranhas sobre aquele maldito local chegavam aos ouvidos dos moradores de Sidney mas obviamente, tal como em um filme clichê de terror, a família demonstrou certo ceticismo. John e seus dois filhos adentraram no Trem Fantasma enquanto a sua esposa Jenny tomava um sorvete. Após algum tempo Jenny percebeu uma correria dos funcionários e visto a demora dos entes queridos, saiu as pressas em direção ao Trem Fantasma. Lá Jenny encontrou o pesadelo: do trem fantasma saia uma fumaça negra que tomava o local. Desesperada, procurou sua família e se deparou com o carrinho do trem cercado por funcionários que tentavam em um ato angustiante apagar o fogo que consumia o carrinho e seus integrantes.

A causa do incêndio que causou a morte dos familiares de Jenny passou um bom tempo sem ser descoberto. Explicações eram inconclusivas. Com o terror presente em sua mente após se deparar com uma cena tão chocante, restava a Jenny recordar os momentos felizes que a família viveu junta. Olhando as fotografias, Jenny encontrou um detalhe do passado que assombra até hoje os moradores dos arredores do Luna Park: em uma foto, então esquecida, Jenny vê seu falecido filho Damien abraçado com uma figura demoníaca. Espantada com a imagem, Jenny parte em busca de esclarecimentos e para sua surpresa, a pessoa fantasiada não era parte do time de funcionários do parque. Ninguém sabia quem era, o que estava fazendo ali. Levando a nova informação a polícia, o inesperado acontece: os macabros contos agora começavam a fazer todo o sentido! Os boatos que rondavam o Luna Park é que ele era o lugar que servia de palco para os adoradores de Moloch, um antigo deus pagão. Em tempos remotos, antes do parque ser construído, o local era conhecido por ser “abrigo” para Moloch. Seus adoradores acreditavam que, por algum motivo obscuro, Moloch habitava aquela região. Documentos encontrados nos fichários da polícia local mostravam o quanto era grande a dor de cabeça das autoridades locais com as insanidades que os membros da seita hora ou outra cometiam. Porém, após a construção do Parque, as histórias viraram boatos para assustar criancinhas desobedientes. Mas parece que o mal que permaneceu oculto por todos esses anos escolhera a família Godson para se erguer mais uma vez.  E para infelicidade de Jenny, um dos adoradores de Moloch terminou por executar o “ritual a Moloch”, um sacrifício humano que se concretiza através das chamas. Até hoje o caso ainda não foi solucionado.

23. A “Super Terra”

Nosso planeta é enorme, observando do nosso ponto de vista. Com 12.756,2 Km de diâmetro, nossa Terra é impressionante em seus ambientes e tudo que nos proporciona. Agora, imagine um planeta muito semelhante a Terra porém dez vezes maior em massa! Essa é a Super Terra, batizada de “Planeta Nove”, planeta que os cientistas acreditam que exista após a orbita de Plutão.

O Instituto de Pesquisa da Califórnia conseguiu algumas evidências da existência desse planeta que não se comporta como os demais. Através do estudo da influência gravitacional de objetos naquela zona do espaço, cientistas concluíram através da simulação computacional a existência do mega planeta.

O mais intrigante dessa história toda é a semelhança que esse planeta tem com o lendário “Nibiru”:

*Massa dez vezes maior que a Terra;

*Orbita em trajetória elíptica, com ciclo de 10.000 ~ 20.000 anos terrestre para completar uma volta ao Sol;

*A órbita no sistema solar circunda Plutão, coincidentemente tal como relatado em “O livro de Enki” de Zecharia Sitchin, um dos maiores defensores da existência de Nibiru;

Como está localizado em uma zona que dificulta o estudo dos astrônomos, apesar das evidências matemáticas, a existência da Super Terra ainda não foi comprovada.

22. O Silêncio dos Vale dos Tzagan-Luk

Melquisedec, o Rei de Salém, é um dos personagens mais enigmáticos que aparecem em diversas religiões. Ele está presente no Cristianismo, no Judaísmo, no Budismo, no Hinduísmo e é estudado como o fundador da Tradição Primordial, a tradição que haveria iniciado as demais religiões através do mundo (em resumo, todas as religiões seriam um derivado, melhor dizendo, uma visão diferente da mesma coisa, essa que seria a própria tradição primordial).

Dizem que Melquisedec vivem no reino subterrâneo secreto de Argatha, restrito a nós humanos, pelo menos, aos não iniciados. Entretanto, estudiosos no assunto parecem ter encontrado uma pista. Desde que Ossendowski escreveu em seu livro “Bestas, Homens e Deuses” (1924) sobre sua fuga da Grande Rússia, traçando uma rota pelo planaltos do Himalaia, os estudiosos como Guenon, voltaram seus olhos para Tzagan-Luk. Conta Ossendowski, que em sua passagem por essas terras místicas se deparou com o “silêncio dos mistérios dos Mistérios do Mundo”. Os mongóis sabem quando Melquisedec reza/medita por um efeito incomum: um silêncio sem igual. Os habitantes da região chamam de “paz absoluta”. Quando esse evento acontece, os ventos param de soprar, os animais terrestres se deitam, os pássaros descem ao chão, a correnteza do rio para, as nuvens do céu se abrem … não há mais barulho, não há som, nem movimento… tudo se torna calmo! Em repostas, por respeito e fé, os habitantes se ajoelham e cantam o mantra.

Expedições enviadas ao local desde 1930 já se deparam com o evento. Conclui-se que o efeito seja resultado de: (a) proximidade de onde Melquisedec medita, do contrário, ocorreria de forma semelhante em todo o planeta; (b) Anomalia no campo eletromagnético do Planeta;

Se é isso ou há outra explicação para esses eventos ninguém descobriu a verdade por detrás dos fatos.

21. Apolônio de Tiana

ão misterioso quanto Melquisedec, Apolônio de Tiana é um Ser que foi esquecido no tempo. Apesar de seus feitos grandiosos segundo sua história, Apolônio de Tiana teve sua existência quase apagada. Com a expansão da Igreja nos primeiros séculos, Apolônio tornou-se uma figura perigosa, pois a Igreja viu em Apolônio a “concorrência” para Jesus.

Pouco se sabe sobre a origem de Apolônio, sendo a mais aceita a linha histórica que ele simplesmente apareceu na Terra (outras duas versões também são aceitas como hipóteses, (a) Apolônio era um jovem comum até que se tornou discípulo de Pitágoras e sua seita e descobriu a “Harmonia divina”; (b) Nasceu também de uma virgem e também foi anunciado por um anjo).

Enfim, independente de que forma Apolônio tenha chegado até nós, algo que não podemos negar é que sua história é extremamente semelhante a de Jesus. Tanto que, por vezes, as teorias dizem que foram a mesma entidade. Além dos milagres semelhantes, de ressuscitar, de ter um plano de salvação, ambos eram mestres e tinham seus “apóstolos” e eram ovacionados  e muito populares em seu tempo. As pequenas diferenças entre os dois foram os divisores de água. Apolônio era vegetariano, era de uma família rica (nas versões em que ele nasce de uma virgem), atuava em uma região diferente e acreditava que rezar era mais um ato de acalmar o ser do que entrar em contato com Deus. Para Apolônio, rezas comuns não poderiam chegar ao Deus, pois suplicas mundanas são por demais irrelevantes frente ao proposito do Ser Divino e essa seria uma ideia que a Igreja não poderia aceitar. Entretanto, dizia Apolônio que era permitido aos homens realizar contrato com outros seres, a maioria deles de escala menor na hierarquia da criação.

Uma versão da história de Apolônio é que ele passou por todos as iniciações das Antigas Ordens da Sabedoria, da Babilônia e Egito até o Extremo Oriente, sendo o ponto chave a descoberta do túmulo de Hermes Trimegistro.

Os teóricos da conspiração, por outro lado afirmam que os ensinamentos de Apolônio foram sufocados pela “Aliança Negra”, uma ordem que tem como objetivo manter os seres humanos na ignorância com o proposito desses ultimos continuarem a servir como escravos, vitimados por um sistema que os impede de ir além de suas vidinhas simplórias.

20. Fogbank

Entre o final da década de 90 e inicio dos anos 2000, a Marinha dos Estados Unidos resolveram que já estava na hora de reparar as ogivas W 76. Detalhando o projeto, todas as partes das ogivas teriam sido reparadas, exceto uma: o fogbank. Ninguém, em lugar algum de toda a cadeia americana de inteligência militar sabia dizer que diabos era o “fogbank”!

De inicio, as primeiras medidas, logicamente, foi gastar o dinheiro do contribuinte. 23 milhões de doláres foram investidos na tentativa de recriar o componente. O resultado foi um tremendo fracasso. Montaram então uma equipe com os maiores especialistas da época, foram acionados os mais renomados físicos, toda a inteligência americana em um esforço titânico e mais 69 milhões de caixa para conseguir o “Fogbank”. Adivinha? Nada!

Quando fizeram a proposta de 93 milhões de doláres para recriar o Fogbank, o governo disse aos militares: “So sorry!”. O jeito foi consolidar todos os dados adquiridos na pesquisa de 69 milhões e fazer o melhor possível.

Indo atrás de mais informações, nada foi encontrado: nem sinal de quem criou ou qual a finalidade exata do componente. Em sua classificação nos dados militares apenas a descrição “material usado em armas nucleares” sobreviveu. As demais informações foram apagadas por alguém que tinha muito interesse em eliminar o conhecimento sobre esse componente. Acredita-se que seja o Fogbank é o responsável por iniciar a fase de fusão durante a detonação da ogiva. Isso levou alguns teóricos a crer que se trata de aerogel que tem um poder infinitamente maior do que qualquer outro combustível que conhecemos. Conspiracionistas dizem que o Fogbank é na verdade um combustível de longa duração e se fosse usado para fins comuns poderia com uma pequena quantidade fazer com que veículos transitassem por décadas sem precisar abastecer.

19. Raios-S

O Laboratório da NASA de Propulsão a Jato de Pasadena, California, encontrou por acidente em um dos seus experimentos algo que não deveria estar lá…. Ao estudar a radiação cósmica descobriu que nosso planeta está sendo bombardeado por uma incrível onda de radiação constante de raios – S.

Cientistas ainda não sabem a origem exata mas acreditam que seja próximo do que acredita-se ser o centro desse sistema solar. Pior é que mesmo sem saber a fonte e como se defender, os cientistas já alertaram para certos aspectos que os raios-s nessa intensidade estão fazendo com o planeta: a água potável em sua presença fica inutilizável, causa câncer tal como a exposição do raio-X, gera mutações em vírus e bactérias, entre outras anomalias.

Estima-se que essa exposição massiva a longo prazo pode trazer danos irreversíveis ao planeta Terra. Essa visão fez com que alguns desconfiados sugerissem que se trata de uma “arma” que está presente no espaço com má intenções.

18. Seres Anti-Matéria

Nossa ciência é ainda muito precária em conhecer a biologia universal. Tempos atrás, isso quer dizer, alguns anos atrás – veja bem, não faz tanto tempo assim – achávamos que toda vida existente tinha uma característica comum: a base de carbono. Então os cientistas descobriram algo inusitado na cratera de um vulcão: uma bactéria que tem em sua base estrutural não o carbono e sim o arsênio. Depois desse evento, vários outras teorias surgiram com moléculas como silício, que também poderiam formar ligações semelhantes ao carbono.

Entretanto, nenhuma idéia foi mais radical do que a apresentada no estudo científico do Dr. Santilli, físico nuclear italo-americano, que publicou um artigo falando sobre entidades invisíveis aos nossos olhos que vivem em nossa atmosfera e seriam feitos de anti-matéria. Dr. Santilli inventou um telescópio que leva o seu nome, que diferente dos  telescópio convencional (tipo Galileu) que usa uma lente convexa para focalizar a luz, um telescópio Santilli tem lente côncava para focalizar a “anti-luz”. Através de seus estudos, Santilli deduziu que a anti-matéria tem suas características totalmente oposta a matéria. Uma delas, a refração de luz, termina por ser totalmente oposta na anti-matéria: ela absorve toda a luz e por fim, tudo que é feito de anti-matéria torna-se invisível aos nossos olhos.

O físico, entendo isso e apontando seu telescópio para o espaço, terminou descobrindo seres, dotados de inteligência(julgamento que tomou após observá-los e ver seu comportamento e movimento), que viveriam na atmosfera do nosso planeta.

Embora não seja possível vê-los por completo dado pela deficiência do telescópio em revelar esses seres, Santilli deu aos religiosos motivos de sobra para “tentar” fundamentar cientificamente suas idéias: muitos deles acreditam que esses seres de anti-matéria são os ditos “demônios”.

Não sabe também se esses seres vivem apenas na atmosfera do planeta, porém, até o momento os estudos de Santilli não apresentaram sua presença na superfície.

17. O Triângulo do Alasca

Existem algumas áreas do planeta que parecem ser ímãs para pessoas desaparecidas e desaparecimentos misteriosos. Por qualquer motivo, as pessoas vão para tais lugares e simplesmente desaparecem, para nunca mais voltar. Muitos já conhecem ou ouviram falar dos mais famosos destes lugares, como o Triângulo das Bermudas. Entretanto, existem outras dessas zonas anômalas perdidas por todo o mundo. Talvez uma das menos conhecidas destas regiões que aparentam ter “fome de almas” é a vasta extensão de terra desértica que se situa no estado mais ao norte do Alaska, EUA: um lugar frio, estéril e que tem o hábito de colecionar vítimas.

“Triângulo das Bermudas do Alaska” é conhecido por abranger uma grande parte do estado, que concerne todo o caminho desde a região sudeste perto de Juneau e Yakutat, até todo o caminho para o norte, em direção a cordilheira Barrow, e para Anchorage, no meio do estado. Dentro desta zona estão vastas áreas, grande parte inexplorada, de um imenso deserto branco, que incluem florestas, picos de montanhas escarpadas e desoladas, e a estéril tundra.

A região ostenta um número crescente de vítimas; turistas e moradores locais que se aventuram por suas terras gélidas e simplesmente desaparecem da face da Terra, sem deixar qualquer resquício. Aviões também desapareceram ou inexplicavelmente caíram no local. Diz-se que desde 1988, cerca de 16.000 pessoas desapareceram no chamado “Triângulo do Alaska”.

Um dos mais conhecidos casos de desaparecimento no Triângulo do Alaska ocorreu em outubro de 1972, quando um avião Cessna 310 que levava nada menos que dois políticos proeminentes, o líder da maioria na Câmara, Hale Boggs e seu representante, Nick Begich, juntamente com seu assessor Russell Brown, e seu piloto Don Jonz, desapareceu misteriosamente na região, enquanto a caminho de Anchorage. O desaparecimento de tais figuras públicas de prestígio provocou uma intensa busca que durou 39 dias e envolveu mais de 400 aeronaves, incluindo um avançado SR-71 da Força Aérea Americana, e dezenas de barcos, incluindo 12 da Guarda Costeira. Até hoje, o paradeiro do avião e de sua tripulação permanece um mistério e todos foram declarados mortos. O desaparecimento realmente provocou algumas teorias da conspiração, com algumas pessoas alegando que o acidente tinha sido orquestrado, ou pelo menos foi encoberto por J. Edgar Hoover, chefe do FBI na época, devido à uma intensa luta de poder que ele tiveram com Boggs, mas é claro que nenhuma prova sobre esse fato foi encontrado.

O que está acontecendo neste remoto e inexplorada deserto que faz com que tantas pessoas desapareçam sem deixar vestígios? Isso depende a quem você perguntar. A área tem sido associada com espíritos malignos na tradição do povo Tlingit, nativos da região, que associa o local com uma entidade notória, o Kushtaka, um demônio que é conhecido por se parecer com um cruzamento entre o homem e uma lontra, e diz-se ter o poder de atrair pessoas infelizes para sua condenação, em especial aqueles que estão perdidos. Outra teoria é que o Triângulo do Alaska compreende um dos chamados “vórtices”, ou áreas geográficas ao redor do planeta postulado pelo pesquisador e criptozoologista americano Ivan T. Sanderson, que alegadamente apresentam uma extrema força eletromagnética, assim, exibindo anomalias como vórtices de energia, também chamados de linhas Ley, que são teorizadas como correntes eletromagnéticas subterrâneas. Naturalmente, o mais famoso desses vórtices é o aclamado Triângulo das Bermudas. De acordo com Sanderson, existem outros lugares com o mesmo do Triângulo das Bermudas, como os confins de Timbuktu, o Vale do Indo, no Paquistão, Volcano Hamakulia no Havaí, o ” Mar do Diabo “perto do Japão, o Atlântico Sul, e ambos os pólos norte e sul. Monumentos famosos como o Stonehenge, a Ilha de Páscoa, e as Pirâmides do Egito também podem ter sido construídos em possíveis territórios de vórtices, e de fato, muitos estudiosos acreditam que esses sejam os motivos que levaram os povos antigos a construírem tais monumentos nesses lugares em particular. Esses vórtices de energia são, de acordo com a teoria de sua existência, capazes de criar todos os tipos de fenômenos estranhos. Eles poderiam, por exemplo, afetar os seres humanos de várias formas físicas, mentais e emocionais, como causar visões, demonstrando poderes milagrosos de cura, e gerando picos de criatividade ou epifanias profundas. Esses locais também podem induzir alegadamente desorientação, confusão e alucinações visuais e de áudio, bem como causar uma delicada desequilíbrio elétrico que causa mau funcionamento em equipamentos elétricos. Teorias mais “loucas”sugerem que os tais vórtices são, na verdade, portais para dimensões espirituais, ou são portas de entrada para outros reinos. Todas estas coisas poderia explicar porque as pessoas e veículos, tais como navios ou aviões desaparecem nessas regiões em uma taxa tão surpreendente.

Há algumas coisas interessantes que parecem apoiar a idéia de que o Triângulo do Alaska poderia ser um desses vórtices. O Alaska é coberto com uma grande concentração de anomalias magnéticas, alguns dos quais podem interromper bússolas, a ponto de marcarem 30º errados. Além disso, algumas equipes de busca e salvamento que trabalharam na área relataram ter alucinações auditivas lá, mais comumente descritas como “um som que se assemelha a um enxame de abelhas raivosas”, e de sentirem-se desorientados ou sofrerem vertigens. Algumas leituras de áreas no suposto Triângulo do Alaska de fato produziram várias anomalias e picos de atividade eletromagnética incomuns. Isso poderia ter algo a ver com os desaparecimentos? Infelizmente, não está claro se esses vórtices existem verdadeiramente, e a teoria foi atingida por uma boa quantidade de ceticismo, por isso é difícil dizer com certeza.

Segundo as autoridades, os desaparecimentos são causados devido a uma razão completamente diferente. Estatisticamente, o Alaska tem relatórios de pessoas desaparecidas anuais em maior quantidade do que qualquer outro lugar do país; o dobro da média nacional. Ele também tem o maior número de pessoas desaparecidas que nunca foram encontradas. Em 2007, por exemplo, 2.833 pessoas foram dadas como desaparecidas, e quando comparado com a baixa população do estado, cerca de 670 mil na época, chega-se a um resultado que equivale a cerca de 4 em cada 1.000 pessoas; uma quantidade impressionante.

As razões para isso são muitas. O Alaska tem vastas áreas de deserto remoto; mais da metade dos deserto federais, em torno de 57 milhões de hectares para ser mais exata, sem contar as áreas quase completamente intocadas pelo homem. Esta paisagem agreste é cheia de todos os tipos de perigos, incluindo o tempo implacável, terreno perigoso, animais selvagens e perigos geológicos angustiantes, já que o Alaska é residência de cerca de 100 vulcões ativos.

Como pode esta majestosa terra de vista pura e beleza natural engolir tão avidamente tanta gente sem deixar vestígios? Se os misteriosos desaparecimentos do Triângulo do Alaska são o resultado de perigos naturais, vórtices de energia ou maus espíritos antigos, ele é certamente alarmante. É provável que nunca cheguemos a uma compreensão completa do mistério que envolve esse lugar belo e assassino, e as únicas pessoas que sabem a resposta para suas perguntas são aquelas que nunca voltaram para contar a história.

16. O Rugido do Espaço

Boa parte das descobertas científicas são frutos de acidentes. Hoje, mesmo as instituições mais renomadas hora ou outra descobrem algo que não estavam procurando. Em 2009, a NASA descobriu um fenômeno apelidado de  “O rugido do Espaço “.

Após enviar uma sonda acima da atmosfera da Terra para procurar radiação das estrelas mais antigas do universo, a NASA se deparou com um sinistro som. O ruído no rádio era seis vezes maior do que o esperado no vácuo do espaço. Depois de testar muitas teorias, a NASA ainda não conseguiu explicar o que poderia estar originando esse som. Alguns cientistas acreditam que esse som possa ser resultado de algum fenômeno desconhecido que acontece nas primeiras estrelas no universo. Outros sugeriram que grandes aglomerados de galáxias estão confundindo o equipamento. Mas, até agora, não temos nenhuma explicação confiável ou aceita pela maioria para o rugido no espaço.

15. Desaparecimento da Ilha de Bermeja

Até 1970, o México possuía uma ilha chamada Bermeja. A ilha, por ser próxima aos pontos de extração de petróleo, servia de marco para todos os tratados entre Estados Unidos e México, dizendo quais seriam os limites de um e de outro para extrair o precioso recurso.

Em Julho de 1970, a ilha simplesmente sumiu da noite para o dia, sem deixar rastros. A primeira teoria sobre seu desaparecimento foi que a CIA havia explodido a ilha inteira para poder expandir os limites da extração de petroleo americana. Entretanto, algo mais sinistro aguardava os mexicanos. Investigando o histórico da ilha, descobriram que entre os anos de 1535 à 1775 a ilha aparecia em todos os mapas comerciais utilizados por navegadores que cruzavam aqueles mares. Depois dessa data, a ilha simplesmente desapareceu dos mapas. Ninguém citou a ilha entre 1775 à 1857 em qualquer fonte histórica. Porém, em 1857, a ilha voltou a aparecer em todas as fontes históricas investigadas.

O mais impressionante é que os relatos de 1857 chamava a ilha de “porto dos fantasmas” cujo os navegadores se recusavam a ir. Até 1930 poucos corajosos resolveram ir até a ilha, entretanto, no meio da década de 30, ela havia virado ponto da rota dos navegantes que cruzavam aquelas águas.

Até hoje não se sabe o paradeiro da ilha de Bermeja sendo que o mais lógico – embora bastante incomum – é que ela tenha sido explodida por fins sinistros.

14. Crucifixo Vermelho

Há mais de 1.240 anos, um evento nada comum aconteceu na Europa e Ásia. Os céus do nosso planeta foram cortados por um “crucifixo vermelho” segundo registros de várias fontes da época durante um ano. Provavelmente o evento foi visto por todo o planeta, entretanto, como os únicos registros da época são da Europa ou da Ásia, assumisse que foi observado nesses continentes.

Muitas teorias já foram apresentadas sobre o “Crucifixo Vermelho”. A mais aceita é de Jonathon Allen, da Universidade de Califórnia. Allen elaborou uma teoria sobre o evento que diz que os habitantes da Terra presenciaram em 774 d.C. a explosão de uma supernova em nossa galáxia. Allen descobriu através de seus estudos com isotopo radiativo de carbono-14 que a Terra foi bombardeada com um pico de alta radiação cósmica.

Outros cientistas que estudaram o fenômeno como Fusa Miyake admitem que o evento possa ter mudado a linha da História. Uma radiação dessa magnitude, dado o tempo de exposição, deve ter ocasionado problemas sérios aos habitantes da época e demais espécies do planeta.

13. O Teste dos Metrôs de Nova York

Lembra das descobertas científicas por acidente que falei em alguns itens atrás? Pois é, aqui vai mais uma delas… a diferença é que essa é de cair de costas!

Em 2014, uma equipe de cientistas do Weill Cornell Medical College resolveram realizar um teste. Eles sequenciaram o material genético encontrado nas catracas, assentos e cabines de bilhete de todas as 468 estações de metrô de Nova York. A intenção inicial era descobrir à que riscos biológicos um usuário dos metrôs estaria exposto.   Eles descobriram bactérias conhecidas por prosperar em pele humana, bem como aquelas que estão associadas com sistemas gastrointestinal e urogenital e nas fezes humanas. Eles descobriram restos de comida de todos os tipos, embora considerando a situação das presenças das bactéria fecais, comer no metrô pode ser nada aconselhável.

Mas toda essa “nojeira” provinda dos maus hábitos humanos é apenas a parte “normal” dessa história. A parte obscura e absurdamente sinistra vem a seguir. Entre o material genético coletado, os cientistas também encontraram o vírus Antrax e a bactéria Yersinia pestis, responsável pela peste Bubônica. Contudo, o mais impressionante foi o fato da pesquisa ter encontrado entre as coletas o DNA de 15.152 espécies distintas. E o mais estranho: quase 99% dessas amostras mostravam DNA’s de espécies desconhecida pela Ciência. Ao apresentar o relatório ao governo, o relatório foi julgado como “absurdo” e “falho”. Weill Cornell Medical College foi proibido de publicar nos periódicos científicos o estudo. Os conspiracionistas dizem que essa é mais uma prova de que existem muitas espécies alienígenas vivendo disfarçadas entre nós.

12. Homens Toupeiras

Outro mistério envolvendo o metrô de Nova York fala sobre os “Homens Toupeiras”. Durante anos, contos e lendas sobre desabrigados que começaram a tomar os túneis subterrâneos encheram a cabeça de muita gente. Não é mistério que realmente esses túneis sem habitados por sem-tetos. No entanto, conta as lendas urbanas que alguns desses habitantes terminaram por sofrer mutações terríveis que transformaram em uma outra espécie, capaz de ver no escuro com seus olhos vermelhos e esbugalhados, com pele coberta de pêlos e uma força descomunal.

Histórias falam sobre desaparecimentos, a mais conhecida delas foi relatada a polícia em 1989 por um habitante local que informou que presenciou uma mulher ser arrastada para escuridão por três “animais” que se assemelhavam à seres humanos com rosto de “ratos”.

Esses boatos começaram a ficar tão constantes que a jornalista Jennifer Toth resolveu encarar o desafio e adentrar nos túneis. Terminou ficando perplexa com o que viu: seres humanos vivendo em condições terríveis, se alimentando de ratos e resto de comidas, usando tubulações como casas. Toth fez uma campanha de grande sucesso para retirar essas pessoas do subterrâneo.  No final das contas, muita gente foi retirada do subterraneo mas nenhum “Homem toupeira” foi encontrado.

11. “O Mágico”

Existe uma ilha na Itália chamada Isola La Gaiola que ganhou fama de “amaldiçoada” depois que infelizes incidentes começaram a acontecer com todo individuo que se atreveu a ir morar lá. Situada no Golfo de Nápoles, a ilha é dividida em duas partes unidas por uma ponte de pedra bruta. Cercada por ruínas que remontam à Roma Antiga, a ilha já foi uma área famosa por sua rica fauna marinha. Ao mesmo tempo, Isola La Gaiola era um símbolo de status para os ricos, sendo disputada entre os mais bem afortunados europeus. Hoje, no entanto, a ilha está deserta. Provavelmente devesse ao fato de que os seus 22 últimos moradores morreram todos de forma incomum. Desde que um habitante da ilha, um ricaço conhecido apenas como “O Mágico” viveu lá no inicio do século 19 não houve mais quem tivesse paz naquele ponto do mapa.

Por um tempo, “O Mágico” foi o único morador da ilha e deixou claro antes de desaparecer (que típico!) que ninguém deveria viver mais naquela ilha! Logicamente, os anos passaram e ninguém deu muito ouvidos aos dizeres do antigo morador.   Pensaram: “esse paraíso natural tem que ser aproveitado e não é porque um velhote rabugento proibiu que iremos deixar uma oportunidade dessa passar”. O primeiro a habitar a ilha após o desaparecimento do “O Mágico” morreu pouco tempo após, sufocado, enrolado em um tapete. Algum tempo depois a estranha morte, um rico alemão chamado Otto Grunback comprou a ilha e decidiu ir morar lá… mas não durou muito tempo, pois morreu de ataque cardíaco dias após. A próxima, uma rica farmacêutica suiça, enlouqueceu e logo após se suicidou. Em seus escritos, o “O Mágico” é citado inúmeras vezes. E assim por diante, todos os moradores que arriscaram viver ali, morreram com uma morte nada comum. Por fim, ninguém mais se interessou em comprar a ilha por causa da “fama”. Ainda hoje poucos se atrevem a dormir por lá. Conta as histórias que a ilha enlouquece quem se atreve.

EM BREVE O RESTANTE DA LISTA

FONTE: AH DÚVIDO

HUMOR/CURIOSIDADES: Os 12 defeitos insuportáveis dos Brasileiros

Se você me perguntasse qual o melhor país do mundo, sem dúvida, responderia Brasil. A resposta seria a mesma se perguntasse sobre o povo. Os brasileiros são incríveis, além de únicos, pois entre os povos que habitam esse planeta, os brasileiros são os mais acolhedores. Entretanto, certos comportamentos, melhor dizendo, caraterísticas do nosso povo são extremamente irritantes.

Talvez sejam resultados de fatos históricos, talvez seja resultado dessa cultura tão miscigenada…. não dá de saber ao certo de onde provém esses defeitos mas é certo que eles estão presentes do norte ao sul desse país. Não que tais sejam exclusividades brasileiras, apesar de que nas terras tupiquinis pareça muito mais acentuado que em outros lugares. Veja a lista e dê sua opinião:

Obs:. Lembrando que o post fala da maioria dos brasileiros e não está generalizando. Maioria = Número excedente a metade do todo; Grupo preponderante.

Ressalto também que os itens também não estão por ordem de importância.

 

12. Brasileiro reclama de tudo e não resolve nada

 

Reclamação vem do latim reclamatione, que designa o ato de “desaprovação manifestada por gritos”, e do verbo reclamare (reclamar) que significa exigir ou reivindicar. Essa, sem sombras de dúvida, é a atitude mais adorada e praticada pelos brasileiros. Nosso povo reclama de tudo!

Apesar do abuso desse ato, o problema não está em reclamar: o problema está em apenas reclamar. Não existe o hábito do segundo passo por aqui. A pessoa reclama, xinga muito no Twitter e fica por isso mesmo. A parte mais importante, que seria achar a solução para reclamação, simplesmente é abandonada, transformando a atitude de reclamar em algo totalmente inútil.

11. Brasileiros são um bando de maria-vai-com-as-outras

A explicação para o excesso de reclamação e para a falta de reação já virou estudo aqui no Brasil. O resultado não apresentou nenhuma novidade: O brasileiro não tem o hábito de protestar no cotidiano. A corrupção dos políticos, o aumento de impostos, o descaso nos hospitais, as filas imensas nos bancos e a violência diária só levam a população às ruas em circunstâncias excepcionais. Por que isso acontece? A resposta a tanta passividade pode estar em um estudo de Fábio Iglesias, doutor em Psicologia e pesquisador da Universidade de Brasília (UnB). Segundo ele, o brasileiro é protagonista do fenômeno “ignorância pluralística”, termo cunhado pela primeira vez em 1924 pelo americano Floyd Alport, pioneiro da psicologia social moderna.

“Esse comportamento ocorre quando um cidadão age de acordo com aquilo que os outros pensam, e não por aquilo que ele acha correto fazer. Essas pessoas pensam assim: se o outro não faz, por que eu vou fazer?”, diz Iglesias. O problema é que, se ninguém diz nada e conseqüentemente nada é feito, o desejo coletivo é sufocado. O brasileiro, de acordo com Iglesias, tem necessidade de pertencer a um grupo. “Ele não fala sobre si mesmo sem falar do grupo a que pertence.”

Iglesias começou sua pesquisa com filas de espera. Ele observou as reações das pessoas em bancos, cinemas e restaurantes. Quando alguém fura a fila, a maioria finge que não vê. O comportamento-padrão é cordial e pacífico. Durante dois meses, ele analisou o pico do almoço num restaurante coletivo de Brasília. Houve 57 “furadas de fila”. “Entravam como quem não quer nada, falando ao celular ou cumprimentando alguém. A reação das pessoas era olhar para o teto, fugir do olhar dos outros”, afirma. O aeroviário carioca Sandro Leal, de 29 anos, admite que não reage quando vê alguém furar a fila no banco. “Fico esperando que alguém faça alguma coisa. Ninguém quer bancar o chato”, diz.

Iglesias dá outro exemplo comum de ignorância pluralística: “Quando, na sala de aula, o professor pergunta se todos entenderam, é raro alguém levantar a mão dizendo que está com dúvidas”, afirma. Ninguém quer se destacar, ocorrendo o que se chama “difusão da responsabilidade”, o que leva à inércia.

Mesmo quem sofre uma série de prejuízos não abre a boca. É o caso da professora carioca Maria Luzia Boulier, de 58 anos. Ela já comprou uma enciclopédia em que faltava um volume; pagou compras no cartão de crédito que jamais fez; e adquiriu, pela internet, uma esteira ergométrica defeituosa. Maria Luzia reclamou apenas neste último caso. Durante alguns dias, ligou para a empresa. Não obteve resposta. Foi ao Procon, mas, depois de uma espera de 40 minutos, desistiu de dar queixa. “Sou preguiçosa. Sei que na maioria das vezes reclamar não adianta nada”, afirma.

O “não-vai-dar-em-na-da” é um discurso comum entre os “não-reclamantes”. O estudante de Artes Plásticas Solano Guedes, de 25 anos, diz que evita se envolver em qualquer situação pública. “Sou omisso, sim, como todo brasileiro. Já vi brigas na rua, gente tentando arrombar carro. Mas nunca denuncio. É uma mistura de medo e falta de credibilidade nas autoridades”, afirma.

A apatia diante de um escândalo público também é freqüente no Brasil. Nas décadas de 80 e 90, o contador brasiliense Honório Bispo saiu às ruas para lutar pelas Diretas Já e pelo impeachment do ex-presidente Fernando Collor. Caso que apenas se concretizou pelo massivo uso da imprensa. Estudiosos acreditam que o Impeachment nunca aconteceria se a mídia não colocasse no ar o ataque massivo ao presidente: 10 das 24 horas de programação das emissoras nas semanas anteriores ao ato divulgavam a  ideia das Diretas Já e Impeachment.

O estudo da UnB constatou que a “cultura do silêncio” também acontece em outros países. “Portugal, Espanha e parte da Itália são coletivistas como o Brasil”, afirma o psicólogo. Em nações mais individualistas, como em certos países europeus e a vizinha Argentina, o que conta é o que cada um pensa. “As ações são baseadas na auto-referência”, diz o estudo. Nos centros de Buenos Aires e Paris, é comum ver marchas e protestos diários dos moradores. A mídia pode agir como um desencadeador de reclamações, principalmente nas situações de política pública. “Se o cidadão vê na mídia o que ele tem vontade de falar, conclui que não está isolado”, afirma o pesquisador.

O antropólogo Roberto DaMatta diz que não se pode dissociar o comportamento omisso dos brasileiros da prática do “jeitinho”. Para ele, o fato de o povo não lutar por seus direitos, em maior ou menor grau, também pode ser explicado pelas pequenas infrações que a maioria comete no dia-a-dia. “Molhar a mão” do guarda para fugir da multa, estacionar nas vagas para deficientes ou driblar o engarrafamento ao usar o acostamento das estradas são práticas comuns e fazem o brasileiro achar que não tem moral para reclamar do político corrupto. “Existe um elo entre todos esses comportamentos. Uma sociedade de rabo preso não pode ser uma sociedade de protesto”, diz o antropólogo.

O sociólogo Pedro Demo, autor do livro Cidadania Pequena s (ed. Autores Associados), diz que há baixíssimos índices de organização da sociedade civil – decorrentes, em boa parte, dos também baixos índices educacionais. Em seu livro, que tem base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o sociólogo conclui que o brasileiro até se mobiliza em algumas questões, mas não dá continuidade a elas e não vê a importância de se aprofundar. Um exemplo é o racionamento de energia ocorrido há doze anos: rapidamente as pessoas compreenderam a necessidade de economizar. Passada a urgência, não se importaram com as razões que levaram à crise. Para o sociólogo, além de toda a conjuntura atual, há o fator histórico: a colonização portuguesa voltada para a exploração e a independência declarada de cima para baixo, por dom Pedro I, príncipe regente da metrópole. “Historicamente aprendemos a esperar que a decisão venha de fora. Ainda nos falta a noção do bem comum. Acredito que, ao longo do tempo, não tivemos lutas suficientes para formá-la”, diz Demo.

A historiadora e cientista política Isabel Lustosa, autora da biografia Dom Pedro I, um Herói sem Nenhum Caráter (ed. Companhia das Letras), acredita que os brasileiros reclamam  mas têm dificuldades de levar adiante esses protestos sob a forma de organizações civis. “Nas filas ou mesas de bar, as pessoas estão falando mal dos políticos. As seções de leitores de jornais e revistas estão repletas de cartas de protesto. Mas existe uma espécie de fadiga em relação aos resultados das reclamações, especialmente no que diz respeito à política.” Segundo Isabel, quem mais sofre com a falta de condições para reclamar é a população de baixa renda. Diante da deterioração dos serviços de educação e saúde, o povo fica sem voz. “Esses serviços estão pulverizados. Seus usuários não moram em suas cercanias. A possibilidade de mobilização também se pulveriza”, diz.

Apesar das explicações diversas sobre o comportamento passivo dos brasileiros, os estudiosos concordam num ponto: nas filas de espera, nos direitos do consumidor ou na fiscalização da democracia, é preciso agir individualmente e de acordo com a própria consciência. “Isso evita a chamada espiral do silêncio”, diz o pesquisador Iglesias. O primeiro passo para a mudança é abrir a boca.

10. Brasileiro acha que a vida é resumida em futebol, fofoca, carnaval, cerveja e putaria

Oito em cada dez brasileiros tem o assunto do seu dialogo com outrem resumido nesses termos. Quando não está falando de futebol, está falando de sexo ou fofocando ou falando do quanto bebeu no final de semana e vice-versa. Qualquer tema que saia dessa esfera é rejeitado pela maioria, exceto, se o tema for inicio de um reclamação coletiva (do tipo que não vai dar em nada). Não é de estranhar que a definição do Brasil seja “o país do futebol e do carnaval”.

Tanto a filosofia quanto a Psicologia e a Sociologia explicam que essas paixões comprometem o intelecto humano. Tal como um homem apaixonado pela sua amada, o ser apaixonado não pensa, somente age de acordo com suas emoções. Os brasileiros dão provas que essas paixões os transformam em verdadeiros “trouxas”, entre os quais podemos destacar os seguintes fatos decorridos dessa passionalidade:

  1. Ronaldinho Gaúcho ganhando medalha Machado de Assis da Academia Brasileira das Letras;
  2. Bruna Surfistinha virando best-seller e depois blockbusters;
  3. Brigas de torcidas;
  4. Brigas anuais nas apurações das campeãs do Carnaval;
  5. Pelé sendo reconhecido como um dos maiores brasileiros de todos os tempos pela Times;
  6. Pesquisas mostrando que brasileiro gasta mais com cerveja do que com Educação;
  7. Xvideo como o vigésimo segundo site mais acessado do Brasil, perdendo apenas para sites de funções essenciais(como Google e sites de bancos) e para redes sociais.

Muito se pergunta se o Brasil poderá suportar seu crescimento diante de pensamento tão rudimentar. Existe uma estimativa construída em cima das pesquisas realizadas pelo IBGE que diz que provavelmente daqui a 5 anos o Brasil venha a atingir índices de países de primeiro mundo em diversas áreas. Porém, como comportar tamanho avanço se a cultura brasileira continua a mesma? É por esse motivo que a entrada de estrangeiros no nosso mercado de trabalho cresce a cada dia. Importar “cabeças-pensantes” é lucrativo para empresas já que aqui as cabeças estão ocupadas com outros pensamentos. Enquanto os gringos buscam soluções para os setores da indústria e da sociedade, nós continuamos com a imaturidade de apoiar nosso micro-universo na preocupação com nossos times de futebol e quantos dias de folga vamos pegar no carnaval. A carência de ambição e a passividade diante do que precisa ser feito converte a maior parte dos brasileiros em cartas fora do baralho do setor industrial quando o assunto exige dedicação e disciplina.

9. Brasileiro gosta da hipocrisia

“Sem as pequeninas hipocrisias mútuas nos tornaríamos intoleráveis uns para os outros”. A frase é atribuída ao filósofo alemão Emanuel Wertheimer, coincidindo com as práticas gerais do mundo até nas grandes hipocrisias, como freqüentemente chega ao nosso conhecimento por meio das manchetes diárias. Há milênios condenada pela sociedade, a Hipocrisia se encontra presente, acompanhando o Homem desde do seu engatinhar pela superfície terrestre. Sua definição é difícil de lidar e sua complexidade é relevante, já que, em certas situações, o que parece hipocrisia, na verdade não é.

“Impostura, fingimento, simulação, falsidade”. Dessas quatro facetas ligadas à definição da hipocrisia provavelmente a menos conhecida é a impostura, como “artifício para iludir, embuste, vaidade ou presunção extrema”. De qualquer maneira, o que se ressalta aí é a presença da mentira. No caso da hipocrisia, a mentira social por excelência.

O conceito mais comum de hipocrisia, conceito qual iremos adotar aqui para discutir a situação brasileira, seria o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias, devoção, comportamento e sentimentos para alcançar o apreço publico, mesmo sendo o acusador vítima da sua própria crítica. Ou seja, o assassino que condena o homicídio, o funkeiro que critica a música ruim do Latino, o analfabeto que reclama da falta de leitura do povo.

Brasileiro adora uma boa hipocrisia. São tantos os exemplos para provar essa ultima afirmação que até fiquei em dúvida sobre qual deveria escolher. Optei pelo mais conhecido: Brasileiros versus emissoras de TV. Não deve ser novidade para ninguém que o Brasileiro critica e repudia programas de TV os quais assiste. BBB, o maior exemplo de hipocrisia brasileira, mostra a real face desse povo: de um lado, pessoas engajadas, criticando, dizendo para os outros não assistirem o programa. De outro, um dos programas com uma das maiores audiências da era dos “reality shows”. Nem é preciso ser especialista comportamental para saber que alguém está mentindo nessa história, ou precisa? De maneira semelhante temos o Zorra Total, o programa mais odiado pelo público brasileiro e líder de audiência do seu horário. Oras, de onde provém essa controvérsia senão da mentira e falsidade de alguns que condenam diante do olhar alheio mas, no aconchego do seu lar, passa parte do seu tempo livre assistindo esses programas.

Além dessa hipocrisia direta temos a hipocrisia indireta. Assumindo o mesmo exemplo anterior, podemos dizer que é um hipócrita de forma indireta aquele que reclama de quem assiste BBB, alegando que o último é um programa sem caráter cultural, contudo, não perde o jogo de futebol de quarta a noite ou mesmo, faz questão de assinar um canal de TV exclusivo de Futebol. São dois lados de uma mesma moeda.

8. Brasileiro não sabe lidar com o politicamente correto e politicamente incorreto

Quem tem boa memória e passa algumas horas do seu dia na frente do computador deve lembrar do caso do Stand Up do Rafinhas Bastos ano passado. Durante um dos seus shows, Rafinha resolveu utilizar do humor negro extreme nonsense, típico dele, fazendo uma piadinha um tanto sem graça sobre o estuprador fazer um favor à uma feia quando a estupra.

Quando essa notícia se espalhou foi o caos. Todo mundo condenou o humorista. Foi um tal de “esse cara tem que ser preso” para lá e um “que absurdo, é o fim do mundo” para cá.

Algum tempo depois, começou o novo BBB e aconteceu o  tal “estupro”. O que você pensa que o povo brasileiro fez? Criticou? Não, pelo contrário, ele brincou com a situação, fazendo piadinhas sobre o ocorrido. O politicamente correto foi esquecido, o que leva ao pensamento que aqui no Brasil parece que ele é de lua, ou vem por estação…. não dá para definir. Em certa hora o brasileiro desaprova, condena, critica tal ato incorreto, em outra, pratica e apoia.

7. Brasileiro tem o pé no extremismo para babaquices

Fanatismo ideológico é o estado psicológico que caracteriza qualquer pessoa como idiota. O Fanático é irracional, inflexível, persistente e teimoso. Sua natureza irregular, baseada em paixões, leva a paranoias e gera preconceitos e agressividade com quem discorda de seus valores e crenças. Nos países árabes, esse estado é bastante comum por causa da religião. Em alguns países europeus, extremismo e fanatismo se misturam na busca de alguns grupos por liberação de certos estados de seus países. Já aqui no Brasil…. bem, aqui é uma coisa inexplicável. Brasileiro adota o fanatismo para as coisas mais idiotas, por exemplo:

  1. Defender partidos políticos ( PT e PSDB é tudo farinha do mesmo saco, mermão!)
  2. Defender crenças religiosas ( Evangélico conservador que paga dízimo para pastor e se acha no direito de julgar a vida de todo mundo)
  3. Brigar por times de futebol ( Enquanto você briga, eles recebem um salário gordo e riem da sua cara de otário)
  4. Arrumar confusão por causa de celebridades, atores, atrizes, músicos ( Familia Restart é o cacete da Maria João! Lady Gaga não canta, apenas troca de roupa! Justin Bieber fez sucesso apenas por causa do cabelo! Tarantino é uma farsa! Chorem mimimimi…)

Esses são exemplos somente de uma pequena fração de todos os tipos de fanatismos babacas verde e amarelo. Deveria existir um projeto de lei que classificasse as pessoas por grau de idiotice fanática. Quem fosse reprovado deveria ser jogado, de imediato para evitar a contaminação aos demais, na Ilha de Queimada Grande para servir de alimento para as cobras do local.

6. Brasileiro não admite a própria culpa

“A culpa é minha e eu coloco ela em quem eu quiser” uma das famosas frases de Homer Simpson faz total sentido nessa republica. Segundo International Stress Management Association – em pesquisa com mais de com 1 000 profissionais – praticamente metade dos brasileiros analisados (47%) apresentam um comportamento agressivo quando algo dá errado e tende a negar a participação no erro. Percentual altíssimo se comparado aos países orientais e alguns europeus, os quais não ultrapassam os 14%.

Já faz parte da nossa cultura colocar a culpa nos outros. Não unicamente no trabalho mas em tudo que estamos envolvidos. O Brasil não funciona é culpa dos políticos e não nossa e do nosso voto e apatia frente a tanta corrupção. Enchetes ocorrem por causa do acumulo de lixo nos bueiros e a culpa é do El nino. Para tudo há sempre um bode expiatório.

Um exemplo clássico disso é a falta de leitura dos brasileiros atribuída aos preços dos livros. O Brasileiro consumiu a média 120 litros de cerveja por habitante em 2010.  A estimativa é que ultrapasse a marca de 15 bilhões de litro de cerveja em 2012 segundo a Sindicerv. Acredita-se que o gasto do brasileiro de classe C2 a B2 seja de R$ 360 reais anuais. O estudo da CBL (Camara Brasileira dos Livros) mostra que o brasileiro lê em média 1,8 livros/ano e os livros mais comprados no nosso mercado tem preço em torno de 35 reais. Desse modo, assumindo todos esses fatos, fica claro que a falta de leitura do brasileiro vem pela ausência de vontade. Oras, comprar R$ 360 reais de cerveja pode mas gastar R$ 35 reais com um livro é muito caro? Eita “paísinho”….

5. Brasileiro não sabe resolver um problema de cada vez

Eis que existe um problema que incomoda muita gente e que ninguém nunca mexeu um dedo para solucionar. Certo dia, um brasileiro resolve sair do seu estado apático e coloca a mão na massa. Consegue um percentual razoável de apoio para sua idéia e ela começa a evoluir até que se torna popular. Nesse momento, o outro lado dos brasileiros apresenta-se: o de querer resolver tudo de uma vez só.

Você apresenta uma proposta para reduzir os impostos da importação de produtos e aparece sujeito dizendo que “enquanto perdemos tempo querendo diminuir os impostos, políticos roubam verbas em Brasília”. Você apresenta uma proposta para acabar com a violência nos esportes e aparece um brasileiro dizendo que “enquanto perdemos tempo querendo cessar a violência nos esportes, faltam medicamentos nas farmácias populares”. PORRA! Mas que diabos esse sujeito estava fazendo que não tomou a iniciativa para resolver esses problemas…. ficou esperando alguém tomar a iniciativa para resolver outro problema que não tem nada a ver com aquele que ele exalta para ficar reclamando. E assim, ninguém nunca resolve nada! Achar que tudo pode ser resolvido de uma só vez é um pensamento de babaca que leva ao fracasso. Se você acha que tal problema não é prioridade, faça a sua campanha para resolver o problema que você considera principal e não fique criticando quem está tentando melhorar o nosso país.

4. Brasileiro acha que os EUA é o melhor em tudo

Você deve conhecer algum brasileiro que foi para os EUA e voltou para a nossa amada terra parecendo um robozinho defensor do Tio Sam, ou não?  Eu conheço muitos. Sujeito vai para o exterior, principalmente para os EUA, e volta desdenhando tudo.

Esse hábito é de visitar o exterior e adotar o lado do extremo-negativo quando volta é típico de brasileiro. Comparações que, por muitas vezes, não fazem qualquer sentido, como as reclamações por não haver aqui um fast-food em cada esquina.

O que brasileiro tem que compreender é que cada país é um país. São culturas diferentes, são histórias diferentes, são povos diferentes. Você adotar o que há de positivo lá fora e implantar aqui é ótimo. Ruim é você ver o que há de positivo lá fora para ficar desdenhando o que há de simples por essas bandas.

3. Brasileiro é o câncer da Internet

A raça mais odiada da Internet tem nome: Brasileiros. Não é questão de xenofobia, o repúdio dos brasileiros por outros povos na Internet é pela total falta de postura e ética nossa no meio virtual. O comportamento baderneiro incomoda muitos povos, por isso que os brasileiros tem seu acesso restrito em diversos MMORPG, fóruns, sites, redes sociais, entre outros. Somos o povo mais irritante e troll da Internet.

O Orkut e Facebook são exemplos disso. Quando o Orkut era febre nos outros países, tudo era muito organizado, até que os brasileiros colocaram os pés nas terras googleanas. Foi um deus nos acuda, tamanha a bagunça que a rede virou. As comunidades de idioma inglês foram invadidas pelos brasileiros que começavam a falar em português no meio de debates em inglês. Os gringos irritados com tanta bagunça mudaram para o Facebook. E assim foi até que os brasileiros migraram para o Facebook e o abrasileiraram ( leia-se Orkutizaram). O reflexo dessa mudança canarinho já foi demonstrado na ultima pesquisa de ingresso e saída da empresa que mostram a migração dos gringos para redes sociais alternativas. A invasão brasileira acabou se tornando ameaças para essas empresas da web por representarem grandes baixas nos países onde a empresa já possui determinado sucesso, levando a mesma proibir a nossa entrada com o intuito de manter o negócio.

Brasileiro enche essas redes de spam, de gifs que brilham, de páginas de humor, de páginas de putaria… compartilham qualquer coisa a qualquer tempo. Embora não exista nenhum Código de Ética para Internet, o bom senso deve estar sempre presente. Assim, compartilhar no Facebook, por exemplo, a foto de um gato esquartejado ou algo do gênero não é legal, todo mundo sabe disso, exceto a massa brasileira.

De modo parecido os brasileiros invadem os MMORPG’s. Em semanas eles destroem com os servers. Talvez devido a nossa natureza corrupta, corrompemos tudo que tocamos. E daí surge os BOTS, hacks, cheats e tantos outros mecanismos para obter vantagens sobre os outros que nós inventamos e que fazem os jogos perderem toda a graça.

Espero que com o tempo nós percebamos o quanto somos inconvenientes e irritantes, adquirindo uma postura mais sensata antes que sejamos expulso de tudo que é canto da web.

2. Brasileiro não sabe a própria Língua

A Educação no Brasil é lastimável, isso não é segredo para ninguém. Uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que para  2.773 entrevistados (27,3% ), que avaliaram nosso sistema educacional, não houve mudanças na qualidade do ensino e quase um quarto (24,2%) acredita que o sistema piorou. Já o IBGE mostrou no seu estudo de 2011 que apenas 11% dos brasileiros conseguiram concluir o ensino superior ( percentual baixo se analisarmos outros países, tais como Russia (54%) , Cuba (92%), Chile (24%)).

Apesar dos pesares, com toda essa estrutura educacional precária, ainda é inexplicável o domínio débil do brasileiro sobre a sua língua. Não estou me referindo ao domínio completo – compreendendo todas aquelas regras exageradas e chatas -, estou dizendo do “basicão”.

Você leitor deve estar pensando que isso é resultado da falta de investimento do governo, ou não? Logicamente, essa é uma das possíveis causas, contudo, não é a única. Existem outras causas para explicar as anomalias do nosso sistema educacional, como a pesquisa feita por uma das principais empresas de contratos de estágio do país, que constatou no primeiro semestre de 2011 que  nem mesmo os graduando de jornalismo dominam a língua. Através de um ditado de 30 palavras, a empresa verificou que o índice de erro ficou na média 1/3 das palavras.

 

Esse defeito pode ser verificado em todas as áreas, desde das melhores escolas particulares até mesmo no próprio Sistema Judiciário.

Percebeu leitor? Estamos falando do topo da escala financeira e não um bando de pobre coitado que não tem aonde cair morto. Os grandes nomes da Língua Portuguesa do país, como o autor do livro “Preconceito Linguístico” Marcos Bagno, afirmam que a explicação para esses acontecimentos é mais simples do que parece:

  1. o completo desinteresse do povo por sua Língua devido a dificuldade que a mesma apresenta;
  2. a ausência do hábito da leitura.

Por esse e outros motivos, nesse país, a Língua virou arma de manipulação e fator gerador de preconceito.

1. Brasileiro adora dar reconhecimento para quem não merece

Quantas vezes você viu uma homenagem para o Carlos Chagas no horário nobre da TV? Releia a pergunta e substitua “Carlos Chagas” por Pelé e mentalize  a resposta. No Brasil, quanto mais você faz pela sociedade, menos reconhecimento você tem dela. Em contrapartida, quanto menos você faz, maior notoriedade tem o seu trabalho. Assim temos cientistas, pesquisadores, juízes, médicos, engenheiros, bombeiros, policiais, professores, entre outros, que dedicam a sua vida em prol de todos e tem reconhecimento zero pela sociedade. Muitos deles sequer recebem um salário justo.

Já quem não faz nada pela sociedade, como atletas – principalmente jogadores de futebol – , artistas, atores, músicos, mulheres de bundas grandes e perfeitas, entre outros que exercem uma “profissão” que não presta qualquer serviço para o bem comum, somente beneficiando aos próprios, além de receber salários altíssimos, são ovacionados pelo público.

Esse hábito não é exclusivamente brasileiro, boa parte dos países ocidentais, em especial aqueles que importam a cultura americana, se comportam dessa maneira. Esse culto as celebridades e o total descaso com quem realmente faz acaba gerando a insatisfação da maior parte das pessoas cultas seja aqui ou em qualquer parte do mundo. Como as pessoas com considerável grau intelectual são minorias, tal comportamento se espalha feito vírus, recebendo o apoio das mídias. Cabe a você e eu, que temos consciência desse tumor, espalhar nossa ideologia e derrubar essa idolatria e admiração aos falsos feitores originada da ignorância humana.

Deixe seu comentário sobre o texto. Porém peço que faça diferente: ao invés de reclamar e falar sobre outros possíveis defeitos dos brasileiros, indique a solução para esses.

FONTE: SITE AH DUVIDO